Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2008

Ainda sobre as pedras

Carta publicada no jornal Gazeta do Sul de ontem.

Fico pensando, muitas vezes, quando sento à frente da folha em branco para escrever, sobre quem vai ler meus textos. Quando escrevo para o jornal, sei que diferentes leituras vão ser feitas, e sei que posso ser mal interpretado. Na crônica publicada nesta seção no dia 21, procurei fazer um texto leve, mas que ao mesmo tempo servisse para cutucar as pessoas para agirem frente aos desafios da nossa vida. Só não esperava que alguns que fossem ler o texto, não soubessem ler. Se falo em ler, não me refiro a passar os olhos por cima. No entanto, foi o que fez o leitor Leandro D´Ávila, como demonstrou em sua carta publicada neste espaço.
Em primeiro lugar, o texto não fala sobre o jovem apenas (muito menos o jovem santa-cruzense), mas sobre todas as pessoas. Está certo, caro Leandro, você deve ter lido os primeiros parágrafos, não gostou e parou “no meio do caminho”. Não leu os outros quatro parágrafos?
Em segundo lugar, não usei a expressão “to…
Texto publicado hoje no jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul, página de Opinião.

COMO PEDRA QUE ROLA

(Observação importante: crônica repleta de lugares-comuns. Se não gosta de texto com muitos chavões e auto-ajuda, não leia. Eu não leria.)

Escrevo ainda sob o impacto da peça teatral Bailei na curva. Os que já tiveram o privilégio de assisti-la nos seus 25 anos de existência sabem do que estou falando. Riso, choro, indignação e reflexão se mesclam nessa importante obra escrita por Júlio Comte. Um trecho, no entanto, se fixou na minha memória de tal forma que não posso deixar de comentar: quando a jornalista lê um poema que escreveu sobre o personagem Pedro, morto nos porões da ditadura. Diz que Pedro foi uma pedra no sapato dos poderosos da época, pois foi um jovem que ousou pensar diferente.

Pergunto-me se existem hoje Pedros entre os nossos jovens. Creio que não. Existem apenas aqueles que atiram pedras nos outros em uma violência gratuita. Fazem badernas, arruaças, mas não têm arg…