Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2009

O dia em que a terra parou

por Cassionei Niches Petry São mais ou menos 8 da matina e estou fechando o primeiro baseado do dia, ouvindo o Raul: “O dia em que a Terra parou”. A mulher do meu lado ainda dorme. Tento acordá-la: “Tu não trabalha, não?”. Ouço apenas um grunhido que tanto pode significar um “sim” ou um “não enche, porra, que eu quero dormir”. Não sei nem seu nome. Eu a encontrei ontem à noite na Imigrante com uma long neck na mão, recitando Bilac (ou cantando a música da Paula Toller, não sei): “...direis ouvir estrelas, certo perdeste o senso”. Perguntou se eu não tinha um baseado, eu disse que só em casa. Viemos pra cá, mas quando chegamos, ela desabou na cama dizendo “boa noite, amor” e apagou. Olho pro calendário, dia 11, meu aniversário. Tenho alguma coisa pra comemorar? Será que vai aparecer alguém da família hoje à noite ou ninguém vai vir porque eles sabem que eu não vou pagar a festa sozinho? Querem só boca livre. Os amigos a mesma coisa. Melhor dizendo, meus conhecidos, já que amigo mesmo é…
Um pouco afastado do computador, pois a patroa fraturou o tornozelo e agora estou dando uma de enfermeiro sem diploma. Até minhas leituras e filmes a que queria assistir vão se acumulando. Mas enfim, casos como esse só reforçam a ideia de que temos que valorizar bastante a pessoa que amamos. Quarta-feira, provavelmente, ela passará por uma cirurgia. Torçam por ela.
Vale a pena vasculhar o site do Allan Sieber.
Como escrevinhador de blog, meu sonho é ter um sítio como o do Milton Ribeiro. É minha leitura diária, ao lado do Janer Cristaldo (os dois tão distantes politicamente como próximos na qualidade do texto, além de serem excelentes leitores). Aprendi muito sobre música erudita e literatura lendo-o. Através dele, mantive contato com um escritor que admiro muito, Fernando Monteiro. Não bastasse tudo isso, o Milton também é colorado e escreveu belíssimos textos sobre o campeão de tudo. E agora, qual a minha surpresa ao vê-lo como seguidor do meu blog! Isso se deu, acredito, pelos meus comentários nos seus posts. O mais recente foi sobre roubar livros, onde lembrei que o Roberto Bolaño era expert nessa arte, reproduzindo algumas palavras do escritor chileno sobre o assunto:

«Me gusta robar libros. Aunque ya no puedo robar, sería bastante vergonzoso ser atrapado, pero cuando era inédito, robé muchísimos. Pero muchos, muchos… Una vez con un amigo –que también era un buen robador de libros- hici…

FELIZ ANIVERSÁRIO

por Cassionei Niches Petry Até amanhã, Cláudia. Até amanhã, Sr. Vítor. Está indo mais cedo hoje? Pois é, tenho que comprar um presente pra minha filha. É o aniversário dela, sabe. Diz que eu estou mandando um abraço pra ela, Sr. Vítor. Pode deixar. Sai apressado, se despede de outro funcionário. O senhor não sabia que estou saindo de férias, seu Vítor? Boas férias, então. A recepcionista faz sinal com o dedo, está ocupada no telefone. Essa um dia eu traço, ele pensa. No estacionamento, encontra o flanelinha. O senhor cuida que os pneus estão carecas. Não se preocupe, Dudu, vou trocar eles amanhã. Entra no seu inseparável Monza vermelho, o primeiro carro que comprou quando os negócios começaram a crescer, e enfrenta o perigoso trânsito da cidade. *** Ela põe a roupa dada por sua mãe de presente de aniversário. Mira-se no espelho e lembra que há bem pouco tempo era uma jovem magricela, mal vestida, motivo de risos das colegas do colégio. Quando seu pai montou a empresa e começou a gan…

Roberto Bolaño

Estou lendo as obras de Roberto Bolaño agora. Escritor chileno bastante cultuado depois de sua morte em 2003. Já havia lido alguns contos e iniciei dois ou três romances, mas sempre interrompi a leitura por um ou outro motivo e este é um escritor que requer uma compenetração para ler. Começo pelo livro de contos "Putas asesinas", que abre com um conto, "El Ojo Silva" fisgando de vez o leitor de primeira viagem.

O CASARÃO

por Cassionei Niches Petry Se eu não visse a jovem lendo tranquilamente o jornal na varanda, pensaria que a casa estivesse abandonada. Uma tabuleta, meio escondida por alguns arbustos, indicava que a propriedade estava à venda. Gritei com licença! e abri com dificuldade o enorme portão. Chegar até a casa foi também tarefa árdua, visto que a grama alta tomava conta do caminho. Pode vir que não tem perigo, disse a moça. Atravessei correndo o matagal. Ela riu e disse você é medroso! A jovem era muito bonita, bem vestida, limpa, em contraste com o estado de conservação da varanda e de todo exterior da casa. Perguntei como você consegue ficar no meio de toda esta poeira e teias de aranha? Ela apenas sorriu e me estendeu a mão. Leu o anúncio no jornal, não é verdade? Pois então entre pra conhecer a casa por dentro. É diferente do que o lado de fora, porque eu não tenho ninguém que limpe o pátio ou cuide da pintura da casa. Vivo sozinha aqui. Meu nome é Carla. E o seu? Pois então, Br…

Impacto Social

Impacto Social foi um grupo de Rap do qual participei há alguns anos, sendo o principal letrista. Eu era o Mano Cássio e, ao lado do Xandão e do DJ Toddy, fizemos umas três ou quatro apresentações aqui em Santa Cruz. Uma das músicas que fiz foi "Minha arma", cujo link de uma gravação bem caseira posto aqui para quem quiser dar uma conferida.
http://www.4shared.com/file/132259633/9407bda3/MINHA_ARMA_-_Mano_Cssio__Impacto_Social_.html

Bobagens por Cassionei

Gosto de pensar algumas besteiras de vez em quando. Se as compartilho com meus alunos, eles adoram! Nos últimos dias aticei a curiosidade deles, dizendo que estava preocupado com o dia de amanhã, 9/9/9. Quem já teve aula comigo há mais tempo disse que só podia ter relação com o número da besta, 666, de cabeça para baixo. Aliás, em 2006, previ quem seria o campeão da copa do mundo, tudo devido a algumas coincidências com o número 6 (se meus dois leitores ficarem curiosos, conto toda a história outro dia). Mas o que me preocupa amanhã é que o 666 acontece no mês de setembro. Mas o que tem isso, professor? Ora, este mês é o sétimo do antigo calendário romano (por isso SETEmbro, assim como tem outubro que é oitavo mês, etc.). E o número 7 é considerado um número sagrado, seria até um número divino (putz, um ateu dizendo isso!). Concluindo: será que amanhã não haverá um combate entre as forças do bem contra as forças do mal?
Em todo o caso, antecipei este post para hoje. Vai que amanhã acab…