Avançar para o conteúdo principal
Texto publicado hoje no jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul, página de Opinião.

COMO PEDRA QUE ROLA

(Observação importante: crônica repleta de lugares-comuns. Se não gosta de texto com muitos chavões e auto-ajuda, não leia. Eu não leria.)

Escrevo ainda sob o impacto da peça teatral Bailei na curva. Os que já tiveram o privilégio de assisti-la nos seus 25 anos de existência sabem do que estou falando. Riso, choro, indignação e reflexão se mesclam nessa importante obra escrita por Júlio Comte. Um trecho, no entanto, se fixou na minha memória de tal forma que não posso deixar de comentar: quando a jornalista lê um poema que escreveu sobre o personagem Pedro, morto nos porões da ditadura. Diz que Pedro foi uma pedra no sapato dos poderosos da época, pois foi um jovem que ousou pensar diferente.

Pergunto-me se existem hoje Pedros entre os nossos jovens. Creio que não. Existem apenas aqueles que atiram pedras nos outros em uma violência gratuita. Fazem badernas, arruaças, mas não têm argumentos para defender suas idéias (se é que as têm, pois geralmente reproduzem frases prontas). Ou aqueles que se utilizam de pedras que enfeitam canteiros para depredar o patrimônio alheio, como aconteceu há alguns dias na nossa cidade.

Se Drummond diz que “tem uma pedra no meio do caminho”, o que podemos fazer para removê-la? Temos três alternativas: ou a levamos para cima de uma montanha, mesmo sabendo que ela vai rolar de novo para baixo, tal qual Sísifo cumprindo um castigo dos deuses; podemos ainda contorná-la e seguir adiante, mas ela continuará lá; ou, então, a destruímos para sempre, sem esquecer, porém que outras pedras aparecerão pela frente.

Se seguirmos a primeira opção, estaremos aceitando nossa vida cotidiana, o eterno retorno do mesmo, nos contentando em acordar, trabalhar, dormir, acordar, trabalhar, dormir. Aceitando que o reino dos céus é dos pobres, acreditando em tudo que o comentarista careca da televisão diz. Sendo como o Pedro Pedreiro da canção do Chico Buarque: “Esperando, esperando, esperando/ Esperando o sol/ Esperando o trem/ Esperando o aumento/ Desde o ano passado/ Para o mês que vem.” Atire a primeira pedra quem não é ou já foi assim.

Se seguirmos a segunda opção, estaremos buscando em outras pedras a fuga dos problemas: a pedra do jogo do bingo, a pedra do crack. Na selva de pedra em que vivemos, não podemos apenas contornar os problemas, pois eles vão se acumulando. Ao contrário da personagem bíblica que se transformou em uma estátua de sal, temos sim que olhar para trás e resolvermos as coisas que ficaram pendentes.

Acredito que devemos seguir a terceira opção. Devemos ser mais duros do que as pedras que atravessam nosso caminho. Só o que não pode ser duro como pedra é o nosso coração.

Cassionei Niches Petry – escritor e professor de Língua Portuguesa e Literatura

Comentários

Leandro disse…
Bah, menosprezou totalmente a Geração 00 ¬¬
Isso não é bom, não é mesmo.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …