Avançar para o conteúdo principal

Que falta faz o síndico

Não, não. Não tiraram o síndico do meu prédio. Bem, também não moro em nenhum prédio. O síndico em questão embalou muitos corações apaixonados, fez balançar esqueletos e também arrumou confusão por onde passou. Tudo isso com sua poderosa voz e canções maravilhosas.
Hoje faz 10 anos que ele morreu. A nossa música ficou mais pobre. Mas também esse fato o fez voltar a ser lembrado como grande artista que era, e não só aquele gordão que vivia reclamando do som, da luz e que faltava aos shows. Quando ele morreu, encontrei meus amigos (o Mário, o Paulão, o Chola, o Deni) que tinham em comum a admiração pelo grande mestre da soul music brasileira. Relembramos suas canções e até eu arrisquei cantar um pouquinho tentando imitar sua voz.
Recentemente, uma biografia do síndico, escrita por Nelson Motta, vem alcançado um índice de vendagens impressionante no Brasil. Também suas músicas voltam a tocar nos auto-falantes. Os jornais falam dele. É como se tivesse ressuscitado. Aliás, quem morreu há 10 anos foi Sebastião Rodrigues Maia. O cantor, o Tim Maia, está vivo. Os grandes artistas nunca morrem.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …