Avançar para o conteúdo principal

Caim e Abel eram gêmeos?

Gravura de Gustave Doré


Escrevi que Caim e Abel são gêmeos na resenha publicada ontem sobre o romance de Joca Reiners Terron. Acontece que a relação que o escritor fez na página 156 me levou a isso.

"O fato é que, quando olhei para vocês, percebi que nas lendas mitológicas que tratam de irmãos gêmeos acontece de um deles sempre morrer. E eu não posso perder nenhum de vocês, não posso. Eu pensei então em arranjar uma forma de distrair a Morte, de fazer com que ela esqueça pra sempre os seus deveres profissionais. E assim, dessa forma, que ela não leve nenhum de vocês de mim, agora que estão chegando à idade fatal de Castor e Pólux, à idade de Caim e Abel, à idade de Rômulo e Remo."

No entanto, a Bíblia não diz que eram gêmeos:

"Gênesis 4:1 - E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu, e teve a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um varão. 2 - E teve mais a seu irmão Abel; e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra."

A citação não menciona quanto tempo depois nasceu Abel, logo, como todo o mito, podemos fazer várias interpretações.

Se alguém tiver uma outra fonte e quiser compartilhar, fico grato.

Comentários

Djalmir disse…
Não tinha pensado nisso ainda, não conhecia os detalhes dos gêmeos. É interessante.
Cassionei Petry disse…
Achei interessante essa ligação na medida em que é mais uma prova de mitos de culturas diferentes que são semelhantes.
Helvecio.p disse…
Por acaso, procurando uma nova ilustração para a minha postagem sobre Caim, deparei com o seu blog e post. Aparentemente temos opiniões diferentes sobre aparentemente certas coisas incluída aí a fé. Como sou artista e professor de Artes e assuntos afins, convido-o a visitar alguns de meus blogs:

http://mensagemdopregador.blogspot.com/2010/12/porque-deus-nao-permitiu-morte-de-caim.html

e

também:

http://artecompontovoc.blogspot.com/

Sobre Caim e Abel serem gẽmeos, mais forte que o texto econômico das Escrituras ( que dão margem a isso ) a competição entre eles e a memória histórica em muitas civilizações, imputando errôneamente, é verdade,um perfil mal e outro bom aos pares de filhos masculinos.

Um abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…