Avançar para o conteúdo principal

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?


Corre solta na internet mais um exemplo da imbecilidade humana, ou melhor, da imbecilidade religiosa humana. Tempos atrás escrevi aqui no blog sobre o símbolo da paz, que é considerado pelos crentoides como o símbolo do Anticristo. Agora um outro sinal, com um significado bem diferente, é atribuído ao Capeta.
Num especial de Natal, a Xuxa (que tem uma folha corrida enorme na ficha policial dos crentes), depois de fazer o sinal da cruz, fez um gesto na Linguagem Brasileira de Sinais - Libras:O vídeo postado no You Tube foi considerado pelos crentoides como mais uma ligação dela com o Tinhoso, com o qual teria feito um pacto. Aliás, a Igreja Universal foi condenada a pagar uma indenização à Rainha dos Baixinhos por dedicado uma reportagem no jornal Folha Universal ao caso: http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/folha-universal-e-multada-por-acusar-xuxa-de-satanismo

Só falta alguém dizer agora que os criadores da Libras tinham ligação com o diabo...

Comentários

Chiquinha disse…
Hmmm, isso tudo é muito relativo. Essa invasão de sentimentos que me invadem, só me fazem crer que talvez eu sempre estive certa, de te olhar e saber quem vc é, mas por me esconder nesse tempo. Quase fui embora... Se sou o Diabo não sei, mas quero te ver muito feliz... Grata pela confiança, companhia e tudo mais que for possível!
Anónimo disse…
Por vc se esconder, não eu... Mas essa msg talvez nem seja para vc... Bobagens a parte, a verdadeira pessoa vai saber do que estou falando.
carlos - sao luis disse…
Gostaria de saber o significado da letra M na linguagem libra, pois a mesma faz parte da cabala magia preta judaica (nao é negra nao estou falando de raça)o mesmo sinal varios artitas fazem inclusive a Xuxa. o homem é o unico animal que da nome(objeto,gestos, sinais) as coisa pode ser para o bem ou para o mal. espero uma resposta imparcial e honesta.
pois nao tenho prenteçao de oferder a ninguem e voltarei e pedirei sinceras desculpas caso isso aconteça.
Cassionei Petry disse…
Quantas mensagens estranhas nesse post...

Carlos, infelizmente eu não sei responder sua pergunta.
Edson disse…
Achei seu post por acaso. Bom ter este tipo de explicação na internet. Realmente este sinal que a xuxa fez significa Eu Te Amo para os surdos, não só do Brasil mas do mundo todo. Sou cristão e infelizmente tenho que concordar contigo em alguns comentários pois muitas pessoas e até mesmo organizações, ao invés de se preocupar com o que realmente interessa, ficam dando esses furos que só envergonham nossa causa e afastam os mais céticos.
Apenas faço um comentário, que considerando outras postagens suas acredito que não vá entendê-lo como ofensivo e sim informativo. O termo correto é Língua e não Linguagem de Sinais. Um abraço.
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Edson. Volte sempre e pode discordar quando quiser.
Anónimo disse…
Olha, nao sou crente, catolico, budista, mulcumano, mas acho bastante interessante esses temas como iluminati, nova ordem mundial, neurolinguistica.... Enfim, sabemos(e se nao sabe, deveria saber)que a mão chifruda é usada em tres situações: a primeira em rituais satanicos, na segunda no heavy metal e na musica em geral e terceiro nesses sinais de libras "eu te amo". Muito certamente vc nao acredita, mas a mulher que fez esta linguagem de libras universal era seguidora confessa de uma grande teosofica e ocultista chamada Blavastsk(ou algo assim). É so pesquisar. Da mesma forma como o cantor do Black Sabbath( pesquisa oq significa Black Sabbath) tambem era seguidor do Crowley, o Sacerdote maximo do Ocultismo.Dai a pergunta que faço: sera que o sinal de "eu te amo" assim como o sinal de "animaaaaaaaal" que os metaleiros fazem são sinais randomicos/aleatorios? Será que não há pessoas que o usam de forma mascarada no "eu te amo" e outras que usam "eu te amo" e nao se tocam do que tao fazendo? Eis o misterio.
Anónimo disse…
Nada a ver. Em libras, o I (dedo minimo), L (dedo polegar + indicador) e Y (dedo polegar + dedo minimo) são as introduções para o eu te amo em ingles. Em libras, nem tudo pode ser soletrado, demora muito, então, é preciso simbolos. Mesma coisa quando faz sinal de mãe, pai, filho, etc., cada tem u sinal específico.
É necessário ver o contexto da aplicação de tal sinal. Pois nem tudo é o que se parece.
Cassionei Petry disse…
Minha postagem diz justamente isso, que não tem nada a ver.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …