Avançar para o conteúdo principal

Porém, ah, porém

Inicio este blog explicando o nome dele. Nos meus momentos filosóficos percebo que em tudo que pensamos há um porém: gosto daquele escritor, porém..., estive pensando naquele filme, muito comentado, porém... Por isso, se vou dar uma opinião ou comentar a opinião de outros, o porém vai sempre aparecer. E o "ah, porém"? Bom, diz a lenda que o grande Paulinho da Viola estava cantando numa roda de samba o ainda inédito "Foi um rio que passou em minha vida". Em determinado verso aparece o porém: "Porém, há um caso diferente..." No meio do porém, um tal de Jorge tascou, de fundo, um ah, porém. O Paulinho gostou e resolveu convidar o Jorge para gravar o famoso verso. O homem ficou conhecido como Jorge Porém, e o verso acabou aparecendo depois em outras músicas. Essa é história que eu conheço, PORÉM, se o leitor conhecer outra, é só avisar.Em tempo: já vi que a letra da música é assim: "porém, ai porém", prefiro, porém, o "ah".
Para fechar, digo que vou escrever sobre literatura, música e assuntos gerais. Mais tarde passo o meu perfil pra vocês. Um abraço.

Comentários

Olá Cassionei. Sou Cláudio B. Carlos (CC), sou poeta, escritor e comunicador de rádio (ninguém é perfeito...). Morei aí em Santa Cruz na década de 90 - era comunicador da Gazeta FM, depois fui pra Atlântida e agora estou em Caxias do Sul. Acabo de lançar "UM arado rasgando a carne", livro de narrativas, e como li aqui, parace que você gosta de minicontos, então, talvez goste do meu pequeno "Um arado...". Deixo aqui o endereço de minha página (que ainda estou construindo), que entrou no ar ontem: www.claudiocarlos.pop.com.br.
aparece e não nos percamos.
Beijos do CC.
Paula Sulzbacher disse…
Oi professor Cassionei! Sou a tua aluna querida da 202 do Monte...hehehe...Falando sério achei muito legal o blog sor... bem a tua cara mesmo. Um abraço, Paula.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …