Eta vista besta
Gostaria de estar naquela tarde no banco, quando tudo aconteceu. Como sempre, porém, não participo de coisas espetaculares. Minha vida é sempre o mesmo marasmo. Mas ela participou e me contou tudo. A maneira como foi abordada pelos assaltantes, o dinheiro roubado e a mão de um deles que roçou nos seus seios. Enfim, ela terá assunto para uma vida inteira, seus filhos vão saber, seus netos e sucessivas gerações saberão que tiveram um parente distante que foi assaltado num banco. E para os meus netos, que histórias vou contar?


O primeiro miniconto que publico no blog. Relutei um pouco em postar algum trabalho meu, mas estou mudando de idéia.

Comentários

Porém... antes tarde do que nunca hehehe. Obrigado pela visita lá no blog. Valeu! Quanto a publicar teu trabalho aqui: vai mesmo! é por aí... Acompanharei.
Beijos do CC

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro