Avançar para o conteúdo principal

Honrosa visita

Tive a honra de receber a visita no blog de uma das melhores "cabeças pensantes" (acho engraçada esta expressão) do país, Rogério Skylab. O cara é poeta, mas é conhecido principalmente pelas suas músicas. É hit no youtube sua participação no Programa do Jô. No seu site pode-se baixar algumas músicas dos seus CDs, inclusive do mais recente, Skylab VIII. Está lançando também o livro de poemas, Debaixo das Rodas do Automóvel, pela Ed Rocco. Ele também tem um blog. Ao mesmo tempo escatológico, trash e lírico, faz um humor negro politicamente incorreto. Aí vai um de seus poemas:

UM FURO


Havia um furo bem no meio.
Pelas bordas podia se ver,
senão imaginar, o inimaginável:
o furo ali estampado.

Imaginam-se as tripas, as vísceras,
as convulsões, a hemorragia...
porque tudo isso é possível.
Até mesmo o olhar absorto.

de um Homem que vai morrer,
a gente pode imaginar.
Por exemplo: ele foi à padaria

e nunca mais voltou pra casa.
Mas aquele furo não dizia nada.
Era um furo fora de toda História.

Comentários

Mirella disse…
"Um furo bem no meio" HAHHAHAA
"Imaginam-se as tripas, as vísceras,
as convulsões, a hemorragia..."

Muito bom!!! :D

Parabéns pelo blog, Psor!
Anónimo disse…
Oi Cassionei,
Imaginei as pessoas banalizando o furo, mas olhando para o furo! Mentes e consciências vazias, o que importa para elas é o espetáculo de sangue e morte, de vida e cor. Jorcenita

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …