Avançar para o conteúdo principal

Roberto Bolaño


Estou lendo as obras de Roberto Bolaño agora. Escritor chileno bastante cultuado depois de sua morte em 2003. Já havia lido alguns contos e iniciei dois ou três romances, mas sempre interrompi a leitura por um ou outro motivo e este é um escritor que requer uma compenetração para ler. Começo pelo livro de contos "Putas asesinas", que abre com um conto, "El Ojo Silva" fisgando de vez o leitor de primeira viagem.

Comentários

Helena Jungblut disse…
Hola profesor! estaba viendo su blog, y me dio cuenta de que le gusta mucho la literatura de nuestros hermanos argentinos, chilenos y compañeros españoles!

en algunos meses, empiezo a la universidad el curso de portugues/español!
así, ojalá que la relacion profesor-clase no se termina con nosotros!
=D

saludo! jaja
Cassionei Petry disse…
Bueno, entonces podemos hablar bastante en castellano, yo estoy necesitando, pues estoy olvidando casi todo. Yo hizo Letras/español justamente para leer los escritores latinos-americanos. Besos.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"