Avançar para o conteúdo principal

Nei Duclós na minha coluna Traçando Livros de hoje


Romance que deixa rastros no leitor

As histórias do novo romance de Nei Duclós, Tudo o que pisa deixa rastros (edição do autor, 161 páginas) são sobre parte da História que deixou poucos rastros. O ficcionista apenas seguiu as pegadas, as pistas, as trilhas deixadas por alguns historiadores e jornalistas elencados na bibliografia. Poeta por vocação, historiador por formação, jornalista por profissão, o gaúcho Nei Duclós mostra-se um romancista que se arrisca, e com bons resultados.

Sigo também, para escrever estas linhas, os vestígios deixados pelo escritor. Eu próprio deixei meus rastros nas frases sublinhadas. Traço os livros como a onça deixa suas pegadas.

O romance é formado por fragmentos de parte da História não contada nos livros didáticos. Não há um protagonista, salvo se considerarmos o livro como um conjunto de contos, o que nos desmente a ficha catalográfica. São as guerras, os conflitos e revoluções ocorridas no Brasil nos séculos XIX e XX, dos conflitos da independência do Brasil, passando pela Revolução Farroupilha, Guerra do Paraguai, revoluções de 30, 32, até a Ditadura, que movem as personagens. “O Brasil é assim: tanta guerra que não damos conta de contar a história direito.”

São histórias da História contadas por diversas vozes e personagens históricos e ficcionais. O imperador Dom Pedro I e suas aulas de esgrima (“Preciso dominar esta arte, disse para a lâmina, pois a toda hora me vejo diante de adversários mal intencionados.”), o lanceiro negro experiente em rastrear animais (“Para quem conhece os segredos, nem chuva ou vento apaga os sinais do rumo, o risco das garras.”), o imperador Dom Pedro II perdido em meio à chuva no interior do Rio Grande do Sul, crianças em meio ao bombardeio na cidade de São Paulo dos anos 20.

Há descrições de cenas dolorosas, como esta: “No meio daquele horror e daquela sangueira, os gemidos dos feridos, os gritos das mães juntando os membros espalhados das suas crianças eram um quadro do mais profundo sofrimento.” Mas há também momentos hilários, como o diálogo de uma velha (que seria a viúva do lanceiro rastreador) que duvidava do homem que se dizia ser o imperador, que se perdera de uma comitiva durante a Guerra do Paraguai: “– Vai dormir, vai, véio. Imperador, pois sim. Não passa de um calça frouxa.”

Depois da leitura, um rastro de desolação fica no leitor. A crueza dos conflitos e a desumanidade de quem os pratica deixam marcas na história coletiva, mas atingem também o indivíduo que lê. Nei Duclós, como todo bom escritor, mais sugere que revela, deixa pistas para o leitor seguir. Até os erros de revisão são vestígios, no caso de uma escrita que merecia ainda ser melhor lapida, porém representativa de quem somos: seres imperfeitos, sujeitos a erros como as guerras que aconteceram e as que ainda podem acontecer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …