Avançar para o conteúdo principal

Agora vai...

Escrever qualquer coisa. Esse é um dos primeiros ensinamentos do livro do Raimundo Carreiro, Os segredos da ficção. Escrever sempre, todo o dia. Um diário sério, segundo ele. Era até o meu objetivo quando criei meu blog, mas como não tinha internet em casa, acabei não cumprindo o que queria. Por isso os posts são muito raros. O Luiz Paulo Faccioli me cobrou isso, ele que também não visita seu próprio blog. Agora que tenho internet, vou atualizar para meus dois ou três leitores. Poucos mas com qualidade.
*
Como podem perceber pelo título do meu blog, tenho entre minhas paixões o samba. Adquiri três CD´s do João Nogueira, de 79, 80 e 81. Nos dois primeiros, há a inesquecível parceria entre ele e Paulo César Pinheiro em músicas como Súplica e Poder da Criação, que fazem parte de uma trilogia que seria completada mais tarde com a música Minha Missão. Se não há poesia no samba, há o quê? Leiam esses versos de Súplica:

O corpo, a morte leva
A voz some na brisa
A dor sobe pras trevas
O nome, a obra imortaliza
A morte benze o espírito
A brisa traz a música
Que na vida é sempre a luz mais forte
Ilumina a gente além da morte

Ainda quero tratar sobre as duas músicas mais belas do samba brasileiro, que também são da parceria dos dois: Espelho e Além do espelho.

*
“O que eu quero são bons leitores”, afirmou Milton Hatoum em uma entrevista. E o bom leitor dos livros do escritor manaura é, acredito eu, aquele que não lê antes a orelha dos livros, resenhas ou entrevistas do escritor. As ações e os personagens vão sendo revelados aos poucos pelo narrador (ou pelos narradores) e é isso que dá o prazer da leitura. Em Cinzas do norte, seu terceiro romance, Milton Hatoum mantém uma característica que poucos escritores têm: ele mais sugere do que narra os conflitos e esse estilo requer esse leitor ideal. Por isso, um conselho: não leia nada sobre o livro antes de lê-lo. No final, você vai me agradecer por essa dica.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …