Crateras e voçorocas

Em São Paulo, no começo do ano, uma enorme cratera, provocada por uma construção de túneis para o metrô, engoliu caminhões e carros. Lembro das voçorocas do romance Ópera dos mortos, de Autran Dourado. Uma metáfora para a cidade de Duas Pontes que se destruía física e moralmente. Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência. Isso me fez também lembrar o romance Noite do oráculo, de Paul Auster, quando um personagem diz que o escritor não escreve sobre o passado, mas sim sobre as coisas que vão acontecer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro