Avançar para o conteúdo principal

Nobel para um santa-cruzense

A cada ano, o Nobel me convence de que sou ignorante em Literatura. Nunca ouvi falar em Herta Müller. O ganhador do ano passado, Le Clézio, conhecia-o apenas de nome. Sem contar que os mais cotados nunca vencem. Acredito que Philip Roth, Vargas Llosa, Carlos Fuentes, Amós Oz e outros menos cotados (minha torcida era para Ernesto Sábato) deveriam receber o prêmio. A Academia Sueca quer divulgar autores ou premiar os melhores?

http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/2009/10/08/alema+herta+muller+e+vencedora+do+nobel+de+literatura+8770930.html


Bem, não é essa escritora santa-cruzense, apesar do nome. Mas o pernambucano Fernado Monteiro escreveu um romance em que um escritor nascido aqui na terrinha teria recebido o prêmio em 2001. O livro se chama "O grau Graumann", sobre o qual escrevi uma resenha publicada na Gazeta em 2002:

http://cassionei.blogspot.com/2008/12/artigos-e-resenhas-sobre-livros.html#links

Comentários

Renato disse…
O Nobel me parece ter uns critérios estranhos: a) Ser universal, e procurar autores de países pequenos e sombrios; b) Temas universais grandiosos, mesmo que irrelevantes; c) Apelo exagerado à técnica literária.
Cassionei Petry disse…
O critério político é importante também.
Seja bem-vindo ao meu blog, Renato, e espero que venha mais vezes.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …