Nobel para um santa-cruzense

A cada ano, o Nobel me convence de que sou ignorante em Literatura. Nunca ouvi falar em Herta Müller. O ganhador do ano passado, Le Clézio, conhecia-o apenas de nome. Sem contar que os mais cotados nunca vencem. Acredito que Philip Roth, Vargas Llosa, Carlos Fuentes, Amós Oz e outros menos cotados (minha torcida era para Ernesto Sábato) deveriam receber o prêmio. A Academia Sueca quer divulgar autores ou premiar os melhores?

http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/2009/10/08/alema+herta+muller+e+vencedora+do+nobel+de+literatura+8770930.html


Bem, não é essa escritora santa-cruzense, apesar do nome. Mas o pernambucano Fernado Monteiro escreveu um romance em que um escritor nascido aqui na terrinha teria recebido o prêmio em 2001. O livro se chama "O grau Graumann", sobre o qual escrevi uma resenha publicada na Gazeta em 2002:

http://cassionei.blogspot.com/2008/12/artigos-e-resenhas-sobre-livros.html#links

Comentários

Renato disse…
O Nobel me parece ter uns critérios estranhos: a) Ser universal, e procurar autores de países pequenos e sombrios; b) Temas universais grandiosos, mesmo que irrelevantes; c) Apelo exagerado à técnica literária.
Cassionei Petry disse…
O critério político é importante também.
Seja bem-vindo ao meu blog, Renato, e espero que venha mais vezes.

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro