Avançar para o conteúdo principal

Por trás das sombras

por Cassionei Niches Petry

Ser invisível é uma arte, principalmente para quem escreve. O escritor pratica a literatura para tirar as pessoas da letargia, mas, muitas vezes, não encontra leitores que o leiam, tampouco vê suas idéias repercutirem. Por conseguinte, ele se fecha no seu mundo, tornando-se mais invisível ainda. Não é o caso de Paul Auster, escritor de renome, cuja obra sempre desperta interesse, seja através de comentários favoráveis, seja através de críticas severas. Seus livros não deixam ninguém indiferente.

Ele sentiu também, no início da carreira, a sensação de que ninguém o lia, como retratou em Da mão para a boca, sua autobiografia, e colocou um pouco disso no personagem de seu último romance, cujo título é justamente Invisível (Companhia das Letras, tradução de Rubens Figueiredo, 280 páginas). Adam Walker é um aspirante a escritor e tradutor de poetas franceses, assim como foi Auster. No início da narrativa, o vemos em Nova York, na primavera de 1967, mais precisamente na universidade de Columbia, onde estuda Literatura. Lá, encontra o professor francês Rudolf Born e sua namorada Margot. Ansioso por alavancar sua carreira, aceita a proposta de Born para criar uma revista literária bancada por este, não sem antes se envolver com sua mulher. É o inicio da caminhada, como denota seu nome (walker é caminhante, em inglês), em direção ao inferno pessoal. Assim como Dante, que tentou encontrar Beatriz no Inferno da Divina Comédia (aliás, Born é sobrenome de um poeta que aparece segurando sua cabeça decepada na obra de Dante) ou Orfeu, que buscou Eurídice no mundo dos mortos, Walker não mede esforços para ser alguém.

Essa descida ao inferno é narrada em um manuscrito inacabado que chega, 40 anos depois, às mãos do escritor James Freeman, ex-colega de Adam na universidade. Nesse inferno, aparece o assassinato cometido por Born, que ficou impune. O episódio afastou Walker do professor e incutiu-lhe o desejo de lutar contra as injustiças, levando-o a estudar Direito (“Adeus, literatura. Bem-vinda a realidade sensível.”) É doloroso para ele também lembrar o caso incestuoso com sua irmã, Gwin, aliás, um dos momentos mais bem escritos por Auster, ao descrever com sensibilidade a cena de sexo entre os dois. O relato autobiográfico é uma tentativa de prestar contas com esse passado e com ele próprio, pois pior do que ser invisível para os outros é ser invisível para si mesmo.

Os ingredientes costumeiros da literatura de Paul Auster estão mais uma vez no cardápio: personagens escritores, o acaso, Nova York, Paris e narrativas dentro de outra narrativas. O cinema, da mesma forma, marca presença (lembrando que Auster é roteirista e diretor também). As citações cinematográficas, além de contribuir para a interpretação das histórias, instigam o leitor a procurar apreciar as obras mencionadas. No caso de Invisível, o filme A palavra, de Carl Dreyer, assistido pelos irmãos num dado momento, é uma ótima sobremesa. Como na película de Dreyer, o romance de Paul Auster é um jogo de claro e escuro, pois deixa para o leitor a tarefa de procurar a luz e desvendar, através das sombras, o que está invisível no enredo.




Comentários

Robson Duarte disse…
Como disse aqui estou acompanhando a resenha,porém já sabia que seria algo assim (leia-se "que não vende para as grandes massas") que se eu quiser ter em minha loja tenho de arcar com o risco quase certo de que não o venderei.
Cassionei Petry disse…
Geralmente os livros da Cia. das Letras vendem bastante.
Robson Duarte disse…
Infelizmente não é pela editora e sim pelo tipo de leitura.
Por exemplo o que eu mais vendo aqui são os livrinhos top top tipo Crepúsculo e auto-ajuda.

...talvez se tivesse um vampiro ou um menino que ganha poderes.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …