Avançar para o conteúdo principal

"Que livro você gostaria de memorizar...


...e defender de qualquer censor?", é a pergunta que faz Ray Bradbury na introdução da adaptação do romance Fahrenheit 451 em novela gráfica, lançada recentemente na Espanha. Foi notícia aqui, no jornal El País, que disponibilizou trechos da obra em seu site:
http://www.elpais.com/elpaismedia/ultimahora/media/201004/12/cultura/20100412elpepucul_1_Pes_PDF.pdf

Já escrevi sobre o romance de Ray Bradbury aqui no blog e para o jornal Gazeta do Sul. Também vale a pena assitir à adptação para o cinema feita pelo Truffaut e parece que está uma outra a caminho por Frank Daranbont.

Aproveitando, faço minha a pergunta do mestre. Qual livro o leitor guardaria na memória para preservá-lo antes de ser queimado? Respostas nos comentários e depois farei um post sobre as respostas.

(E quem quiser dar um presente para esse humilde professor, já sabe o que quero.)


Comentários

Luis Fernando disse…
Qual livro eu guardaria na memória? "FAHRENHEIT 451".
Cassionei Petry disse…
Luis, sai amanhã seu texto sobre o Ubaldo, não é?
Luis Fernando disse…
Sai amanhã, nós vamos alternar as quartas-feiras. Comecei com o primeiro, o "Setembro não tem sentido", que eu achei ruim, pra ser honesto. Mas isso eu não escrevi, hehe.
Pelo menos, o próximo vai ser "Sargento Getúlio".
Luis Fernando disse…
Sobre o tema, eu até gostaria de memorizar "Crime e castigo", se não fosse tão grande. Mais fácil decorar "A hora da estrela", que é uma boa opção.
Cassionei Petry disse…
Ficou muito boa a resenha. Mas vai encarar ou já encarou o Viva o povo brasileiro?
Luis Fernando disse…
Obrigado. O "Viva o povo" eu vou deixar pro fim, pra dar mais tempo... é o mais longo e complexo. Li umas partes e é um livro difícil de acompanhar, na minha opinião. Mas como é considerado a principal obra do Ubaldo, mais relevante até que "Sargento Getúlio", vai ser o ideal pra fechar a série.
Atualmente, Cães de Babel de Carolyn Parkhurst, li faz uns 2 anos, ainda tenho muuito o que ler apezar de que estou sempre lendo, mas este me tocou muito..
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Luis e Glória, por atenderem o pedido.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …