Avançar para o conteúdo principal

Feliz ano novo, mas não esqueça o velho



Um novo ano se aproxima e, com ele, o desejo consciente ou inconsciente de mudança. A rigor, o tempo é contínuo e por isso nada acontece de diferente na passagem do 31 de dezembro para o 1º de janeiro. No entanto, levados que somos pela massa, festejamos, planejamos, prometemos modificar o comportamento ou melhorar nossas relações, desejamos tudo de bom ao parente, ao amigo ou até ao estranho que estiver ao nosso lado. Não por acaso o primeiro dia do ano é marcado no calendário como “Confraternização universal”.
Nessa passagem, até o mais cético participa de certos rituais supersticiosos (estou falando por mim, claro): usar roupas com determinadas cores simbolizando os desejos (uso quase sempre roupa branca, com leves variações), comer lentilha e guardar as sementes para melhorar a vida financeira (saudade da querida vizinha Dona França que enchia minha carteira com as sementes) e não comer aves, para não deixar a felicidade voar e fugir de nossas vistas, sem contar que elas ciscam para trás, o que representa o atraso. Essa linguagem simbólica, cultivada por diferentes pessoas que possuem crenças distintas, tem como objetivo atrair boas energias ou bons fluidos, de acordo com a nomenclatura dos místicos. Se funciona ou não, é crença de cada um. Acredito que não, mas faz parte da festa. Diga-se que tudo isso não tem nada a ver com nenhuma força superior, como muitos pensam, mas sim é um motivador interior. Se estamos dispostos a construir um ano melhor, faremos com esses ritos de passagem ou sem eles.
Esse período é chamado de réveillon, que em português significa "despertar". Temos aí a metáfora do nascimento: um novo ano nasce e temos que nos renovar, sem esquecer, no entanto, o que passou. O primeiro mês do ano é janeiro, cujo nome é uma homenagem ao deus romano Jano, porteiro dos céus, cujas imagens representativas o trazem com duas faces, uma olhando para frente, o futuro, outra olhando para trás, o passado. Assim como Jano, não podemos esquecer o que fizemos. Temos que avaliar tanto os acertos, para repeti-los ou melhor, aprimorá-los , quanto os erros, para não voltar a cometê-los. Nietzsche, o bigodudo filósofo alemão escreveu em seu livro Aurora título que remete à claridade no horizonte anunciando o nascer do sol que devemos ir além do caminho já percorrido, pois “outros pássaros voarão mais longe!”.
Outras culturas possuem calendários diferentes e, por conseguinte, celebram o Ano-Novo em datas distintas. O calendário cristão, entretanto, é predominante e mobiliza o mundo todo. Celebramos, então, e não esqueçamos de não apenas desejar um ano feliz para o próximo, mas agir para que isso aconteça.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …