Avançar para o conteúdo principal

Plágios do meu discurso de formatura

Escrevi no ano passado e publiquei aqui no blog um discurso de formatura do ensino médio representando os professores dos terceiros anos do Colégio Luiz Dourado (http://cassionei.blogspot.com.br/2012/12/discurso-de-formatura-do-ensino-medio.html). Nos últimos meses essa postagem passou a receber milhares de acessos o que me fez ter a certeza de que o texto seria lido em muitas escolas. Como sempre acontece, os verdadeiros autores são ignorados (afinal, quem é o tal professor Cassionei, ninguém conhece). Achei partes do meu texto publicado em um blog e em um site de duas escolas, religiosas ainda por cima. Se encontrar outros, vou atualizando a postagem:

Colégio N. S. de Belém, de Guarapuava, Paraná, aqui copiado por um professor: http://www.esicolegiobelem.com.br/Noticia.aspx?n=224

Atualização do dia 22 de fevereiro de 2014: Mais um plágio realizado por um professor. Até está em itálico, mas sem a fonte: http://www.insp2.com.br/?p=7073

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"