Avançar para o conteúdo principal

Traçando Livros de hoje é sobre Fernando Monteiro


http://www.grupogaz.com.br/gazetadosul/noticia/436161-a_sombra_por_tras_da_cortina/edicao:2014-03-26.html



A sombra por trás da cortina

Conheci a obra do pernambucano Fernando Monteiro pelas páginas da extinta revista Bravo!, que abrigava os seus contundentes artigos e divulgou seus primeiros romances. Foi a publicação de O grau Graumann, no entanto, em 2002, que me tornou um leitor mais atento ao que ele escrevia, afinal, trazia como personagem o primeiro brasileiro ganhador de um Prêmio Nobel, no caso de Literatura, Lúcio Graumann, que, como se não bastasse, era gaúcho de Santa Cruz do Sul! Escrevi na época uma resenha sobre o livro para o Variedades, página diária de cultura que foi antecessora deste caderno Mix.
Em 2006, saiu o romance As confissões de Lúcio, dando continuidade ao que seria uma trilogia, interrompida, entretanto, segundo o próprio autor me informou, pelo fim das atividades da editora Francis e porque nenhuma casa editorial se interessou em publicar uma caixa com os três livros como ele desejava. O terceiro volume ficou engavetado.
 O mundo ficcional em torno de Lúcio Graumann continuou sendo ampliado por Fernando Monteiro em outros suportes, como a sua coluna no jornal literário Rascunho, através de contos e também entrevistas fictícias. Nestes textos, aparece a figura de Alba de Céspedes, uma escritora ítalo-cubana, que teria tido um relacionamento com Graumann e é mencionada em As confissões de Lúcio. Uma narrativa escrita por ela, O anelante, é lida pela protagonista de O livro de Corintha (Companhia editora de Pernambuco, 117 páginas), mais recente romance de Monteiro e, segundo ele, o derradeiro de sua carreira. Também no Rascunho surgem algumas notas que nos remetem a essa obra e que revelam que O livro de Corintha seria um romance inacabado de Graumann e se chamaria A intrusa na sombra, título que seria do terceiro livro da trilogia de Monteiro.
A trama se inicia com a chegada de Corintha Arnauld à casa de um escritor cego, Methódio Guerreiro, contratada para trabalhar como datilógrafa no novo projeto do autor, uma história em que um voyeur observa com uma luneta uma mulher em outro apartamento e passa a escrever sobre o que vê. Corintha, por sua vez, passa também a relatar ao seu patrão os livros que leu e essas histórias vão aparecendo e desaparecendo como se fossem abrindo cortinas ou derrubando véus que escondem sem esconder e revelam sem revelar verdades das personagens: “Há tantos pequenos mistérios em torno de uma vida sem mistério algum, numa janela aberta para a curiosidade, quando ela se abre, é claro, sem cortinas para a visão de rotinas suaves ou agitadas, tensas ou calmas, das mulheres sozinhas ou das casadas, que se tocam e não se tocam (...).”
O leitor vai empurrando as cortinas, tentando penetrar na obra, mas novas cortinas vão surgindo e nada é revelado. Sentimo-nos como Methódio, não enxergamos um palmo a nossa frente, mas vemos pelos olhos de Corintha, que nos desvia do caminho, ela mesmo dando novos rumos para a narrativa que datilografa. Resta-nos a sombra por trás destas cortinas. Uma intrusa. Seria a própria literatura?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…