Avançar para o conteúdo principal

Um blog carente precisa de ajuda

Meu blog está carente. Para ter mais leitores ele vai começar a se lamuriar, se fazer de coitado, de vítima, assim chama a atenção e as pessoas farão carinho nele, o incentivarão a continuar a persistir. Meu blog contará suas dificuldades, como teve uma vida sofrida. Seu dono não tinha internet em casa, nem mesmo computador, o blog sofreu para se manter e por isso merece ganhar chances da sociedade para crescer. Quando estiver doente, meu blog vai dizer a todos como está passando mal e todos vão desejar melhoras para ele.
Meu blog vai também puxar o saco de todo mundo, chamar as pessoas de maravilhosas, competentes, sensacionais, mesmo que no fundo, no fundo não ache que elas são. O blog vai curtir todas as postagens do Facebook, comentará, elogiará tudo que postam, mesmo que pensem diferente dele. Vai se segurar e não vai fazer nenhuma crítica ao amigo facebookeano, nem mesmo corrigirá seus erros de português.
O blog também vai ser politicamente correto em suas postagens, vai pensar como a maioria, não fará críticas ao deus Paulo Freire, por exemplo, bem pelo contrário, fará apenas elogios, demonstrará como as ideias dele não são doutrinárias e fará postagens de frases do divino mestre, mesmo que fora do contexto. Meu blog não quer criticar a esquerda, mas também não fará críticas à direita. Como não pode elogiar e nem criticar ambas, não quer mais saber de política. Por isso não criticou nem elogiou projetos como o do “Escola sem partido” ou do “Kit gay”.
O blog também não vai mais criticar a literatura de entretenimento, afinal isso é preconceito, já que ela vende muito bem, portanto é boa literatura. A maioria dos leitores a lê e a maioria tem sempre a razão. Meu blog passará a dizer que a complexidade da literatura deve ser deixada de lado para dar lugar à linguagem simples, direta, coloquial, que diga o que as pessoas querem ouvir e não deve tirá-las do seu conforto. Paulo Coelho será elogiado no blog.
Meu blog acha que devo fazer essa política de boa vizinhança, vive me dizendo que está ficando à mercê das traças, pede até para que eu mude o nome da minha coluna no jornal para “Perfumando livros”, talvez com o patrocínio do Boticário. Pede para que eu pegue leve nas minhas opiniões, para não provocar polêmica, como se meus textos a provocassem, pois as pessoas preferem ignorá-los ou apenas criticá-los nas rodas de amigo ou nas salas dos professores. Meu blog se equivoca, portanto. Meu blog deseja publicar apenas textos com palavras bonitinhas, poéticas, que fale sobre gatinhos ou cachorros, da beleza das flores e que invente palavras, imitando outros poetas. As pessoas não vão entender nada, mas vão achar bonito.
Meu blog também não quer mais textos que critiquem as religiões, muito menos os textos que contestem a existência de Deus, pelo menos o cristão. Os outros deuses estão liberados para serem criticados e ridicularizados, afinal são apenas mitos. Quer dizer, menos o Paulo Freire.
Enfim, o blog está carente, precisa de cuidados, atenção. Se quiser ajudá-lo, compartilhe este texto no Facebook e peça para seus amigos dizerem “Amém”.

Comentários

Thiago Alvez disse…
Amém

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…