Avançar para o conteúdo principal

Machado de Assis no "Traçando livros" de hoje


“Rabugens de pessimismo”
Cassionei Niches Petry

Apesar de assinar sempre como escritor esta coluna e outros textos que publico no jornal ou na internet, não é essa a função que sustenta a minha família. Sou o claro exemplo do escriba amador, no sentido de não receber e também no de amar o que faz, sem esperar receber por isso. Escolhi como atividade profissional, então, a de professor, principalmente o de Literatura, para poder me manter e, ainda assim, continuar falando e escrevendo sobre livros.
É essa profissão que me dá a satisfação de, quase todos os anos, ler e reler, quando a memória começa a falhar (e ela sempre falha), obras literárias fundamentais. Entre elas está justamente a que é intitulada Memórias póstumas de Brás Cubas, do maior escritor brasileiro, Machado de Assis, publicada em 1881. A releitura do romance também foi motivada por uma edição recente da Penguim/Companhia das Letras, com prefácio de Hélio de Seixas Guimarães e estabelecimento de texto e notas de Marta de Senna e Marcelo Diego. Edição caprichada, portanto, apesar da capa sem graça. Há outras boas edições à venda, como a da Ática, na série Bom Livro, assim como adaptações para os quadrinhos, como a elaborada em 2014, também pela Ática, com arte e roteiro de César Lobo e Luiz Antônio Aguiar. A HQ serve para abrir o apetite e procurar o banquete principal.
Brás Cubas, que narra suas memórias, está morto (“não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor, para quem a campa foi outro berço”) e resolve contar a sua vida começando pelo fim, relatando a própria morte, por pneumonia, enquanto refletia sobre a criação de um emplastro, espécie de remédio contra a melancolia que iria imortalizar seu nome. Antes, porém, descreve um delírio, que alguns chamariam de uma experiência de quase morte, em que faz uma viagem em poucos segundos por todas as eras, do passado ao futuro, guiado por uma mulher, chamada Natureza ou Pandora (“a visão estendeu o braço, segurou-me pelos cabelos e levantou-me ao ar, como se fora uma pluma. Só então pude ver-lhe de perto o rosto, que era enorme”), que lhe apresenta os flagelos e delícias, glórias e misérias da condição humana. “Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana.”
Depois, Brás Cubas retoma o seu nascimento, contando as diabruras da infância e os maus-tratos ao pequeno escravo da família. No entanto, o cerne da narrativa são os seus amores, da adolescência à idade adulta, pintados com tintas nada coloridas. O narrador não pouca a si mesmo ao relatar a paixão pela interesseira Marcela, mulher mais velha a quem enchia de presentes. “Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis; nada menos.” Também não esconde o misto de encanto e desprezo por Eugênia, linda jovem que tinha um problema físico de nascença. “O pior é que era coxa. Uns olhos tão lúcidos, uma boca tão fresca, uma compostura tão senhoril; e coxa! Esse contraste faria suspeitar que a natureza é às vezes um imenso escárnio. Por que bonita, se coxa? por que coxa, se bonita?”
Seu grande amor, entretanto, é Virgília, que acaba se casando, devido ao interesse do pai, com um político de carreira promissora. Tornam-se amantes durante muito tempo, até que ela vai embora, seguindo o marido que assumiria a presidência de uma província do norte. Quando se reencontram, já estão velhos e nada mais há entre eles.
Brás Cubas, aos 64 anos e solteiro, morre. No final, no capítulo das negativas, afirma: “Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto”. Pesando os prós e contras, o defunto reconhece seus erros e por isso declara, considerando ser um saldo positivo, o fato de não ter deixado herdeiros: “−Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.”
Um dos grandes monumentos artísticos da arte brasileira, o romance mescla filosofia, sociologia, psicologia e literatura para revelar nossa triste condição humana. Só não é reconhecida como uma das grandes obras da literatura universal, porque Machado de Assis teve a má sorte de ter nascido brasileiro.

Cassionei Niches Petry é escritor. Autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e Os óculos de Paula (Editora Autoral). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com

Comentários

Thiago Alvez disse…
Um escritor para ler e reler a vida toda, é um dos escritores da minha vida, um dos meus sonhos de consumo é comprar aquela edição em quatro volumes da editora nova aguilar que custa uma pequena fortuna.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …