Avançar para o conteúdo principal

Conservadores querem mudanças

No Brasil, os conservadores querem mudanças, enquanto os ditos revolucionários querem deixar tudo como está. Ora, vivemos (ou vivíamos) no melhor dos mundos possíveis, afirma o Pangloss das redes sociais, que vive na pobreza há muitos anos, não é de agora, pulando de um emprego a outro (quando consegue um), morando de favor ou de aluguel em moradias precárias e mesmo assim grita que lhe tiraram o seu melhor mundo possível e que ainda querem lhe tirar mais. Não passa o óbvio pela cabeça do Pangloss, que o que ele tem (ou tinha) não é direito, mas sim migalhas que lhe servem (ou serviam), como isca, como aqueles cachorros de corrida que saem atrás de uma lebre mecânica.
Há também o Pangloss da rede social, que estende seus tentáculos paras as salas de aulas, tanto do ensino básico quanto do ensino superior, acha que ele está certo, que está defendendo aqueles que necessitam, mesmo que aqueles que necessitam não concordem com que ele pensa. É aquele sujeito cheio da grana, que conseguiu bons empregos, que “cresceu” na vida e que depois viu a fonte para os seus projetos secar, pois o dinheiro não cai do céu, mas sim de raspagens de cofres públicos, de acúmulos de dívidas que levaram a fonte a uma crise econômica. O novo responsável pela fonte fechou a torneira e por isso não merece estar onde está, mesmo que ele esteja fazendo os reparos para a fonte voltar a jorrar. Ora, se o pobre que nunca se beneficiou da fonte dele não pensa como ele, esse pobre é burro, é manipulado, é o idiota útil que não vê que está precisando da verdade que ele Pangloss detém: de que vivíamos no melhor dos mundos possíveis e que de uma hora para outra, como num passe de mágica, tudo virou contra o pobre. Por que só agora a revolta e por que a crítica contra quem antes se revoltou?
Quem estava nas ruas na greve do dia 28 de abril (que, diga-se, fui obrigado a fazer porque meus colegas professores decidiram parar)? Quem está fora da bolha viu funcionários públicos, estudantes, sindicalistas e militantes partidários. E muitos baderneiros. O Brasil não é formado apenas por essas pessoas. O comércio estava funcionando, as empresas estavam em pleno funcionamento. A maioria da população estava trabalhando. Muitos gostariam de parar, mas não há leis que as amparem. Aliás, os funcionários públicos lutam para manter privilégios que a maioria da população não tem. Os sindicatos lutam para manter a grana que entra nos cofres e pelo direito de não trabalhar para poder protestar. Os estudantes têm a rebeldia no sangue e são motivados a ir às ruas por ser do contra e pronto (e para alguns matar aula é a motivação). Os militantes partidários, por seu turno, saíram às ruas preocupados em trazer de volta o poder para suas mãos.   
A maioria da população estava trabalhando, porque precisa se sustentar. Muitos não são empregados dos “terríveis patrões”, são empreendedores também: o pedreiro que trabalha por hora e não tem seu dinheiro garantido se parar; o barbeiro ou a cabeleira que conta com o dinheiro que pinga dia sim, dia não no seu caixa; a diarista que trabalha em diferentes casas e não recebe se não trabalha; o jardineiro, pois justamente na sexta é o dia em que tem mais serviço e não pode parar; a lista é enorme.
Como disse um aluno que acha o máximo ter um parente próximo na cadeia e exalta a vida da bandidagem, devo ficar no meu mundinho dos livros e deixar as ruas pra ele, que não entendo nada nas ruas, mesmo que eu já tivesse tido um passado nelas. Ou um colega professor que acha um alívio eu dizer que não entendo nada de política, pois não penso como ele. Sim, prefiro ficar na minha biblioteca, lendo e observando o mundo da minha maneira, do que seguir a matilha, a manada, a massa que não pensa por si próprio e apenas reproduz palavras de ordem achando que com isso vai salvar o mundo. Na verdade quer salvar o seu mundo.
Eu vivia dentro dessa bolha, mas finalmente saí dela. Entrei em outra, é verdade, mas nessa bolha tenho os meus livros, meus discos, meus filmes e nela eu sou o rei. Ninguém me diz o que eu devo ou não fazer aqui (salvo minha esposa, mas rainha é rainha, não é?). É o meu melhor mundo possível.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…