Avançar para o conteúdo principal

Citando a mim mesmo

"A diferença entre religião e a ciência é que a última levanta hipóteses e tenta comprová-las, já a primeira impõe verdades e ameaça quem contrariá-las."

Comentários

Cassionei Petry disse…
A Grazi sempre generosa...
Nara Norilei disse…
Para mim Fé, Religião e Ciência são coisas bem diferentes.A ciência como você disse levanta hipóteses, vai em busca da verdade, mas não se iluda, ela pode ser cruel, também ameaça e mata,a principio os beneficios da ciência deveriam se fundamentar em ajudar o povo, mas a realidade é bem outra a maioria dos beneficios da ciência ~são na prática inacessíveis ao povo, pois sempre estará a serviço de quem a patrocina, dos interesses de grupos econômicos, que manipula até mesmo resultados. Os pobres e miseráveis não conhecem a face real dos beneficios da ciência.
Já a Religião, faz dos homens prisioneiros das "verdades" de um grupo totalmente irracional e ganancioso. Envia o ser humano a um mundo dolorasamente fraturado pela tirania da ordem. Cega o homem para a compreenção da realidade.
Tira do homem aquilo que o faz crescer..a capacidade de pensar por si, de descobrir que cada homem é multiplo em sua unidade, que há várias direções, e muitos caminhos que podemos escolher seguir.
Por isso eu acredito nas respostas que apenas encontro dentro de mim. beijão
Cassionei Petry disse…
Mas tu já não pensaste, Nara, que esse deus que tu tens dentro de ti foi implantado por séculos de cultura cristã. Tu, que prezas tua liberdade, estás na verdade presa a uma determinada cultura e não faz questão de se livrar dela. Se tu tivesses sido criada em um país onde não existe crença nenhuma, será que tu a terias?
Nara Norilei disse…
Não falo de um Deus da era cristã, falo daquele sentimento divino de existência pré.... os xamãs das tribos, as sacerdotisas dos templos antigos, a magia que existe dentro de cada ser humano, o sangue que corre em nossas veias que parece esfriar ou aquecer de acordo com nosso sentimento, a Morgana que existe dentro de cada mulher,os Budas, os rituais afros, umbandas, candomblés, vodu, tudo indica uma crença em um Deus sem rosto, sem pele, sem cor, mas que nos dá paz, que nos faz acreditar que precisamos respeitar uma natureza que não nos pertence, não creio num Deus preso a uma cruz, num Deus que deu a vida por meus pecados....kkkk...por que com certeza eles continuam comigo. Apenas acredito...que existe algo que justifica nossa existência, nossa consciência
Cassionei Petry disse…
Pois é, Nara, tu és atéia também, pois não acredita em um deus...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …