Avançar para o conteúdo principal

"Deus, ou quer impedir os males e não pode, ou pode e não quer, ou não quer nem pode, ou quer e pode. Se quer e não pode, é impotente: o que é impossível em Deus.Se pode e não quer, é invejoso: o que, do mesmo modo, é contrário a Deus.Se nem quer nem pode, é invejoso e impotente: portanto nem sequer é Deus. Se pode e quer, que é a única coisa compatível com Deus, donde provém então existência dos males? Por que razão é que não os impede?Epicuro



Comentários

Jorcenita disse…
Sempre gostei desta citação do Epicuro... Já encaminhei para alguns critãos e fico sempre sem resposta...Por que razão não me respondem???
Pâmy disse…
oii mano... Como Está? estou com saudades, criei meu blog a Pouco e o primeiro q postei comemtario foi tu, que eu me impressionei t achar por aqui sem querer...
Nao entendo muito sobre Epicuro, sobre o que tu escreveuacho que entendo e sei que falta amor... q é a chave de Tudo, é a Fé de Deus...
como anda Mi??? e Deise?? me adc no msn pamela_ptry@hotmail.com
um beijao mano e nos falamos
Tom Riddle disse…
Sensacional o vídeo.
Nara Norilei disse…
"será que Deus vive no céu por temer os seres humanos que criou?????????"
Para um ateu é dificil visualizar tal questão. kkkk
Para mim cada ser cria dentro de si uma imagem própria de Deus, essa imagem interior é a quem chamo de meu ...Deus.O meu discernimento, os sentimentos não explicados, a angustia sem razão de ser, a culpa que sei que me pertence em determinado momento, o meu enxergar de olhos fechados, te sentir perto qdo estás longe...memorizar o perfume e a sensação de um determinado momento..essa capacidade de perpetuação é meu Deus, algo que me faz viver eternamente.
A voz que apenas eu ouço.
A felicidade inexplicada, a dor por algo que não mais possuo.
Enquanto ouver coisas impossiveis de explicar, doenças impossiveis de curar, amores impossiveis de esquecer, terei certeza..nestas coisas meu Deus está presente, talvez o seu esteja bem longe, mas o meu estará dentro de mim.
são tantas as coisas que nos identificam..porém eu não acredito nas religiões, elas corrempem o ser "humano" mas mesmo assim não contesto a beleza e a divindade do ser.
beijos amigo
Nara Norilei disse…
você já pensou que talvez o que seja mal para você seja extremamente satisfatório para outra pessoa que a realiza?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Uma alma desprovida de consciência não ve no crime nenhum mal.
Nara Norilei disse…
"Seria deus alguém que despreza o choro dos fracotes que necessitam de um sentido para vida?
Que provoca o deserto do absurdo da alma?
Você como profesor deve saber que existe uma grande diferença entre a teoria e a prática.
Um discurso pode ser apenas um discurso, e nunca pasar disso.
Todos temos o direito a percepção e visões de mundo diferentes.
Você dia não a um filho, e mesmo assim ele te contrária e FAZ...
Você de alguma forma o castiga..ele insiste e faz a coisa errada.[Então, finalmente você o deixa agir por si mesmo..sabe que ele vai errar...sabe que ele vai se machucar..você pode até chorar..mas é necessário essa dor para sua evolução.Às vezes só dessa maneira o homem cresce.
Você diria que agindo assim...sua atitude foi motivada pela inveja..pela impotência, pela maldade ou por amor?
Se Deus rejesse nossas vidas o tempo todo, ele não seria Pai e sim apenas mais um tirano..mais um ditador.
Onde ficaria o livre arbítrio?
Procuro não julgar as atitudes humanas, muito menos as divinas..acho que não me credencio para tal.
Pois:
"Cuidado com a severidade com que julgas.
Pois com a mesma inflexibilidade um dia poderás ser condenado"
mil beijos
Cassionei Petry disse…
A velha história do livre-arbítrio. Esse argumento é pra quem quer se ver livre de explicar o porquê de acontecer tantas maldades no mundo. Se esse deus que permite tudo isso existe, estamos em péssimas mãos.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …