Avançar para o conteúdo principal

No Traçando Livros de hoje



Traçando livros de hoje, minha coluna no jornal Gazeta do Sul, caderno Mix. http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/398930-o_legado_da_nossa_miseria/edicao:2013-03-27.html 



O legado da nossa miséria


No filme O olho do diabo, de Ingmar Bergman, um pastor de uma igreja revela a um visitante – o famoso Dom Juan que volta do inferno para uma missão imposta pelo Príncipe das Trevas –, que gostaria de ter um demônio no armário, para que lhe contasse tudo o que desejasse saber. Mais tarde, consegue prender um. Isso nos lembra que todos temos monstros guardados nos nossos armários. Muitas vezes, no entanto, eles fogem, pois não podemos escondê-los por muito tempo, tampouco contam coisas que desejamos saber.
Com essa premissa, Flávio Torres escreve seu primeiro livro de contos, Monstros fora do armário (Não Editora, 93 páginas). Aqui eles não estão escondidos, bem pelo contrário. São as questões humanas que fazem questão de se mostrar e revelam nossos problemas mais íntimos.
A obra é dividida em três partes, “Concepção”, “Gestação” e “Legado”. A primeira traz apenas um conto, uma espécie de prólogo, trazendo a história de uma mulher que se encontra com homens em motéis sem saber o nome deles, apenas com o desejo de ficar grávida. Vivendo sozinha, visita o túmulo da família (pai, mãe e irmã) no cemitério e lhes conta que logo ela terá a companhia de uma filha. As marcas no corpo e os vômitos, porém, além do envelopes de diferentes médicos que esperam ser abertos, revelam que seu corpo está gerando algo bem diferente.
“Gestação”, por sua vez, é composta por nove contos, representando, logicamente, os nove meses de gravidez. Eles não recebem títulos, assim como as personagens são anônimas, geralmente chamadas apenas por “guri”. Em “Primeiro”, um menino de rua encontra no chão um papel com nome e endereço de uma prostituta. Vai à procura dela, desejando que fosse sua mãe, e a encontra em um lugar feio e sujo. Ela o acolhe: “há muito tempo não tenho um filho”. O menino pensa: “mesmo estranha e diferente daquela com que sonhava, merecia a palavra mãe”.
O conto “Segundo” traz a figura do pai, no caso um pai bêbado e violento que obriga o filho a fazer coisas indesejáveis, como fazer sexo com uma ovelha na frente dos adultos igualmente alcoolizados. Gesta-se, neste momento, a cultura da barbárie na mente de um inocente guri. Já em “Quarto”, o pai vegetariano, aparentemente compreensivo, faz para seu filho um bife, cuja origem é melhor não mencionar. “O filho merecia a melhor carne da cidade.”
O conjunto de contos se encerra com “Legado”, que, de certa forma, refaz a famosa frase do Brás Cubas, personagem de Machado de Assis, e resume a temática das histórias. Em vez de não termos filhos, os temos para lhes deixar como legado a miséria humana. Transmitimos o vírus da incompreensão, da fraqueza e da dor aos guris que são jogados nesse mundo repleto de monstros. É um bom livro, mas machuca.
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Escreve quinzenalmente para o Mix e mantém um blog: cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …