Avançar para o conteúdo principal

Condenamos e somos condenados




O auto é um tipo de texto teatral da Idade Média de cunho religioso e moralizante. As virtudes e os pecados aparecem através das personagens que os representam. O grande escritor desse gênero foi o português Gil Vicente, com obras como Auto da barca do inferno. No Brasil, é conhecidíssima a peça O auto da Compadecida, de Ariano Suassuna.
A cidade, o inquisidor e os ordinários, de Carlos de Britto e Mello (Companhia das Letras, 470 páginas), é classificado na ficha catalográfica como ficção e na orelha como romance, mas que se vale de elementos de um auto. Em vez de narrador, temos a estrutura de uma peça de teatro, com o nome, ou melhor, o epíteto de cada personagem encabeçando as falas. Suas vozes é que constroem o enredo que se passa em uma cidade controlada por um inquisidor, “O Decoroso”, que ajudado por dois irmãos que vivem nos terraços dos edifícios observando tudo, “O Apregoador” e “O Olheirento”, julga alguns habitantes a quem chama de bobos, os quais vivem deitados em seus apartamentos, apáticos, tristes, desanimados, evitando o contato com os demais, não cumprem com suas obrigações e não trabalham.
Para “O Decoroso”, segundo a lei que ele mesmo instituiu, isso é um crime perante a comunidade e, como pena, os bobos são condenados a ficarem pendurados em antenas de televisão, nos parapeitos de seus apartamentos ou em outro local visível para toda a cidade. Os habitantes, que a tudo assistem e opinam, são representados belo “Bem Composto”, que é um alfaiate incumbido de fazer uma toga para “O Decoroso”; “A Amada”, dona de casa idolatrada pelo marido e filhos porque cumpre seus deveres como esposa; “A Quituteira”, “As Vizinhas” e os “Os Andarilhos”, gente comum que acompanha os acontecimentos; e “A Impostora”, mulher misteriosa e peça fundamental no enredo.
Como uma sombra sobre eles, há o “Destinatário”, a quem as pessoas destinam suas orações. É a figura de Deus ou o Altíssimo que sofre críticas do “Decoroso” por ter abandonado a todos: “Se o Destinatário fosse ainda como foi durante eras e mais eras, imperioso e punitivo, eu não precisaria estar aqui hoje, servindo de corretor das almas perdidas. As multidões insistem em louvá-Lo pelos Seus ostentados feitos, mas esperava-se obra mais bem-acabada do Criador.” Como o “Destinatário” não aparece, a lei é imposta pelo “Decoroso”. Os ordinários, como são chamados os cidadãos comuns, apenas aceitam cumpri-la.
Carlos de Britto e Mello, nesse seu segundo romance, escreve um texto que parece absurdo, mas que realisticamente nos retrata. Bisbilhotamos a vida alheia, julgamos suas atitudes e condenamos os réus à exposição em redes sociais. Somos inquisidores dos outros, mas não enxergamos nossos próprios defeitos. Somos os bobos que aceitam ser condenados. Somos ordinários, assim como quem nos criou (se é que nos criou) a sua imagem e semelhança: “Não temos por que esperar Dele mais do que esperamos de nós mesmos.”
    Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…