Avançar para o conteúdo principal

Quero ser um professor de espanto

Texto saiu no Riovale Jornal


Gosto do pensamento do escritor Rubem Alves. Ele é um provocador. Gosto de quem provoca, mas já me flagrei criticando o que ele diz e escreve. Cheguei a prometer para mim mesmo não o ler mais. Porém, se encontro um texto ou uma entrevista dele, o encanto é imediato e começo a rever minhas ideias e meus conceitos. Ele é o professor que eu gostaria de ser quando me formei na universidade. O dia a dia da sala de aula, no entanto, acabou me reformando. Se o leio de novo, tento me deformar.
Para ele, o melhor professor é o “professor de espanto”. É aquele que instiga o aluno a pensar e a buscar conhecimento, não de uma forma autoritária, mas de uma forma encantatória. O professor não dá respostas, que já estão nos livros e na internet, mas instiga a curiosidade. Faz com que a criança e o adolescente não percam o espanto com o mundo. “É o professor que não sabe nada”, diz Rubem Alves em um documentário, “ele não precisa saber nada, ele não precisa saber as respostas, mas ele fica espantado. A missão do professor seria pegar os alunos e mostrar os espantos para eles. Por exemplo: o espanto da mosca azul, o espanto dos caramujos, fazer as crianças pensarem. Ou quem sabe não professor de espanto, cada professor devia ser um professor de espantos, antes de serem professores que dão as respostas.”
Penso que o problema que enfrentamos é quebrar o muro que há entre o mestre e o aluno. Parece, muitas vezes, que jogamos para o outro lado uma garrafa contendo conhecimentos. Não sabemos se o jovem a pegou e a abriu, mas achamos que fizemos a nossa parte ao mandá-la. Até que pedimos a garrafa de volta, dessa vez contendo o que ele aprendeu. Geralmente reproduz exatamente o conteúdo anterior. Depois retornamos a garrafa com sua nota (numérica ou travestida em um conceito ou em um parecer). E achamos que com isso ele aprendeu. Melhor seria dizer: ele apenas apreendeu.
Ensinar seria quebrar esse muro abrindo uma passagem ou então derrubá-lo. Mostrar para o aluno o que há de um lado, porém o professor deve ver também o que há no outro. Para usar de um chavão que é válido ainda, porque não aplicado, devemos construir pontes. “Quando um muro separa, uma ponte une”, escreveu Paulo César Pinheiro, num outro contexto, mas que vem a bem a calhar neste. Penso que me afasto dos alunos se eles se afastam de mim. Não deveria ser assim.
No mês de outubro, há um dia da criança e outro do professor. Entre as duas datas há outros dois dias separando. Gostaria que isso só acontecesse no calendário. Quero ser um professor de espanto que vá ao encontro e não de encontro ao aluno. Quero que ele se espante com o conhecimento e se aproxime de mim e não que se espante com minha cara feia e fuja de mim.
  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …