Avançar para o conteúdo principal

"Suícidios literários" no Traçando Livros de hoje

Minha coluna de hoje traz um texto sobre o suicídio, um dos temas que, como meus 3 leitores já sabem, me persegue. Na verdade fiz uns cortes num ensaio maior que pode ser lido na íntegra aqui, clicando em PDF. 
Versão do site do jornal, somente para assinantes até semana que vem:  http://grupogaz.com.br/gazetadosul/noticia/429546-suicidios_literarios/edicao:2013-10-30.html


Suicídios literários

Enquanto refletimos sobre o suicídio, não o cometemos. Esse assunto me persegue há anos, desde que um numerólogo, em uma palestra na escola de ensino médio onde estudava, me disse que eu fora um suicida em uma de minhas vidas passadas. Apesar de ser descrente em tudo o que se refere ao além, a ideia – como no personagem machadiano Brás Cubas – pendurou-se no trapézio do meu cérebro e “entrou a bracejar, a pernear, a fazer as mais arrojadas cabriolas.” Como não quero seguir o destino do meu suposto antigo corpo – e nem mesmo tenho vontade de fazer isso –, leio e reflito sobre a morte voluntária, ao analisar obras literárias em que o tema está presente. Assim, vou driblando uma das formas da “indesejada das gentes”.  
  
A maioria das pessoas, de certa forma, já pensou na possibilidade de tirar a própria vida, umas até por brincadeira, outras, porém, levando muito a sério. Como escreveu Albert Camus, em O mito de Sísifo, “todos os homens sadios já pensaram no seu próprio suicídio alguma vez”. O tema é um tabu, não só no âmbito religioso, mas em toda a sociedade. Matar-se também é tema da literatura, a qual, como arte, mais precisamente a arte da palavra, expressa os sentimentos humanos. Não é à toa que os suicidas quase sempre deixam algo escrito, seja um bilhete, uma carta, uma página de diário ou recados em sites de relacionamento na internet, explicando seus motivos ou pedindo perdão aos que ficam. Muitos escritores, inclusive, optaram por esse ato extremo. O suicídio e a palavra andam juntos.

O senso comum diz que o suicídio é quase sempre uma atitude de quem está desesperado, seja por motivos amorosos, seja por motivos financeiros. Há, no entanto, outras respostas para o ato, que envolvem explicações relacionadas ao conhecimento. A filosofia, por exemplo. Albert Camus, na abertura do ensaio que abre o livro O mito de Sísifo, afirma: “Só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio. Julgar se a vida vale a pena ser vivida é responder à pergunta fundamental da filosofia”. A pergunta essencial, claro, é qual o sentido da vida. Mas será que a literatura pode ajudar-nos a respondê-la?

Muitos clássicos literários abordaram o tema, como Anna Karenina, de Tolstói, e Romeu e Julieta, de Shakespeare. O livro mais emblemático talvez seja Os sofrimentos do jovem Werther, de Goethe. O destino do protagonista provocou uma onda de suicídios na Europa do século XVIII, época do romantismo, quando, segundo A. Alvarez, em seu estudo O deus selvagem, “o suicídio se tornou um ato literário, um gesto histérico de solidariedade, para com qualquer herói ficcional que fosse a coqueluche do momento”.

A fuga desse mundo cruel é vista por muitos como covardia, opinião com a qual até podemos concordar, tendo em vista os motivos nem sempre convincentes de quem comete o último ato. Fugir dos problemas não é a solução, muito menos fugir para o além. Uma desilusão amorosa, por exemplo, pode ser solucionada por uma nova ilusão, que manterá na pessoa o desejo de viver, ou ao menos adia a morte voluntária.

Debruçou-se também sobre essa árida matéria o espanhol Enrique Vila-Matas, em Suicídios exemplares. São contos que têm como ligação as tentativas dos personagens de tirarem a própria vida. Tentativas, no entanto, frustradas. No primeiro conto, o narrador nos conceitua a morte voluntária: “um movimento solitário, afastado de todos os olhares, perpetrado na sombra e no silêncio.” Quando projeta “saltar no vazio”, porém, muda de ideia ao contemplar a beleza do lugar escolhido. Como o título do volume sugere, os suicídios que não se concretizam é que devem servir como exemplo. Pensar sobre o suicídio é uma maneira de pensar sobre a própria vida. E, no momento que a vida é o foco de nossa atenção, tudo o mais pode ser esquecido.

Se a literatura pode responder qual o sentido da vida, não sabemos. Tampouco achamos respostas para o suicídio na literatura. Talvez não ter respostas seja o sentido disso tudo, ainda mais se a continuarmos buscando. Se pararmos de buscar o conhecimento, aí sim a vida deixa de ter sentido. Adiar a resposta definitiva, buscar respostas diferentes, fazer novas perguntas: todas são formas de continuar vivendo.

Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …