Avançar para o conteúdo principal

Carta para a escritora e professora Lélia Almeida

Querida Lélia,
há alguns dias pensei em te escrever em forma de carta, mas sabes como a vida de professor não nos permite o tempo necessário para a reflexão. No máximo arrumamos um espaço para postar bobagens na internet, mas para isso não é preciso pensar muito. Não significa que essa carta vá estabelecer uma análise freudiana sobre a leitura que me arrebatou nesses últimos dias, muito menos uma abordagem a partir da ideia de amor líquido baumaniana, enfim. Acredito, no entanto que essa missiva (coisa antiga, hein?) também não deva ser um simples bilhete ou recado.
Poderia simplesmente dizer “ó, li teu O amante alemão, professora”. Aliás, já disse, como bem sabes. Preciso, porém, relatar algo mais do que isso, e tem a ver com uma coisa sentimental, mais do que racional, pois tenho por ti um carinho muito grande e uma gratidão maior ainda. Por isso não escrevi, nem vou escrever, nenhuma resenha sobre o livro.
Foste minha professora e me ensinaste muita coisa. Até aí, cumpriste com tuas obrigações. Mas além de ensinar língua espanhola e suas literaturas, me mostraste escritores e, principalmente, escritoras diferentes, que estavam um pouco distante dos cânones estabelecidos para os estudos. Talvez eu demorasse para conhecer Griselda Gambaro, Cristina Peri Rossi ou Carmem Martín Gaite, por exemplo. Como se não bastasse, me apresentaste ao cinema do Almodóvar. Aprendi a ler, a ver, a apreciar as culturas de matriz espanhola. Aprendi a ter um olhar feminino para as coisas, mesmo que eu tenha sido durante toda a minha vida rodeado por mulheres (avós, mãe, tias, primas, sogra, esposa, filha e colegas do curso de Letras). Ainda por cima me deste o meu primeiro computador, que pariu alguns contos que hoje formam meu primeiro livro.
Eu queria falar um pouco sobre teu O amante alemão, porém tenho receio de que esta carta seja lida por muitas pessoas e possa estragar as surpresas que poderão ter. Digo apenas que me envolvi com a história, escrita de uma forma que demora para estabelecermos os nexos narrativos, o que demonstra uma grande habilidade técnica, num patamar bem acima das tuas outras obras. O enredo vai sendo entregue aos poucos e, quando mal percebemos, já estamos na centésima página e ainda descobrindo detalhes importantes. Identifiquei também muitos aspectos da cidade de Santaluz relacionados a outra cidade do interior do Rio Grande do Sul (certo jornalista, certo sorvete da praça, certo político racista, certo produto econômico principal). Vi personagens que eu poderia muito bem ter conhecido, mas sei que tudo não passa de ficção, da mais pura e bela ficção. Qualquer semelhança é mera coincidência. Estou certo?
Um dos temas da obra é o suicídio, sobre o qual andei me debruçando nos últimos anos em pesquisas literárias, principalmente no mestrado. Mais um fator que me leva a dizer: O amante alemão foi uma das melhores leituras que fiz em 2013. Sua qualidade foi confirmada agora por ter sido indicado como finalista do importante Prêmio Açorianos de Literatura.
Despeço-me por aqui. Um novo livro me chama. Quero que saibas que estou torcendo por ti, não só pela proximidade que tivemos, mas porque o romance é realmente bom, muito bom. O amante alemão ainda te reserva muitas alegrias, Lélia.
Um abraço do teu sempre aluno
Cassionei

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …