Avançar para o conteúdo principal

Comentário de um leitor sobre meu livro

O meu primeiro livro "Arranhões e outras feridas" está tendo a sorte de encontrar poucos mas ótimos leitores. Seguem as impressões de leitura de Felipe Augusto Kopp:

"Olá, Cassionei. Comprei seu livro "Arranhões e outras feridas" na época do lançamento e nunca dei um retorno. Eu li ele logo na primeira semana, mas queria reler antes de comentar alguma coisa. Fui deixando, outros livros furaram a fila de leituras (tu, como leitor, sabe bem como é isso) e acabei não falando nada. Mas esta semana voltei a ele e achei que poderia dar um feedback. O que eu vou falar é só uma percepção pessoal, de leitor e não de crítico, e não tem muito valor. Vamos lá então.

No geral, achei o livro muito interessante. Alguns contos são ótimos, ótimos mesmos, como o "Vozes" (que eu mais gostei), "Feliz aniversário", "Lá em cima" e "Ônibus". Este último, como já vi outros comentarem, se destaca dos demais, é digno de uma coletânea. Só acho que ele deveria estar mais para o final no volume e não ser o segundo. Ele se torna quase como uma chave para os demais contos. Nele, o narrador/escritor imagina coisa perversas e ruins por trás das aparências de todos os personagens, exceto para si mesmo; enquanto todos têm algo terrível a esconder, ele é quase um romântico que vive em uma perspectiva idílica de si mesmo. O problema é que, para mim, o conto colocou em cheque a verossimilhança das outras histórias: ao invés dos arranhões e feridas dos contos serem dos personagens, eles não seriam só dos narradores? os contos desvelam o lado mais sofrido das personagens ou esse lado sofrido só existe porque os narradores querem ver isso? Assim, em um conto como "Flagrante", fiquei me perguntando se aquela sujeira toda, que ocorreria por detrás das aparências, não é só coisa da cabeça do narrador. Logo, não consegui sentir o asco pela situação como, acredito, fosse a intenção.

Percebi que tu gosta de abusar da técnica que deixa o final em suspenso, em aberto, propício para o leitor completar. Às vezes o resultado é muito bom, como no "Feliz aniversário", em outras achei um pouco forçado, como n"O casarão", que acabou ficando com ares de clichê de suspense. Já no conto "Meu irmão", essa abertura me deixou muito intrigado, porque não sei dizer se gostei ou se odiei; li, reli, treli o conto e montei um quebra-cabeça, mas não faço ideia se ele faz algum sentido. Então, senti um misto de admiração e frustração.

Achei a ideia do "Caixa de Pandora" boa, a la "Fahrenheit 451", só que com o video game ao invés do livro. Só o modo como a história foi narrada não casou muito bem, na minha opinião. O interlocutor do narrador é alguém que desconhece o passado, logo, desconhece a linguagem do passado. A boa ficção científica é aquela que narra um futuro (ou narra o passado por uma perspectiva do futuro) com uma outra linguagem. O que faz do "Brave new world" um livro tão bom é o fato dele contar a realidade como algo nova, como se a gente nunca tivesse visto aquilo. Penso que seu conto deveria causar esta impressão, a de alguém que fala do passado (nosso presente) como algo inédito, não por conceitos e imagens já conhecidas.

Bom, no mais é isso. Assim que puder, quero ler o seu romance."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…