Avançar para o conteúdo principal

Alta literatura ou literatura?



No seu livro Aula, Roland Barthes afirma que “é no interior da língua que a língua deve ser combatida, desviada: não pela mensagem de que ela é o instrumento, mas pelo jogo de palavras de que ela é o teatro.” A literatura, nesse sentido, faz um “trabalho de deslocamento (...) sobre a língua.” Esse tipo de ideia de literatura leva em conta seu caráter artístico, de elaboração da linguagem, sendo que ela não é apenas “uma história bem contada”, no caso da narrativa, ou uma “sequência de versos rimados”, no caso da poesia. Dispor as palavras de forma elaborada e complexa cria uma forma de linguagem a que podemos chamar doravante de Literatura (com L maiúsculo) para diferenciar daquela que não tem por objetivo essa elaboração, a que denominaremos literatura (com L minúsculo). Cada uma tem seu lugar, seu espaço, sua importância e repercute no leitor. O problema está no momento em que elas desejam se destruir.
Leio bastante literatura, mas prefiro a Literatura. Stephen King escreve ótimas histórias, que envolvem o leitor. É uma leitura fácil, apesar dos temas pesados. Sérgio Sant’Anna, por sua vez, também escreve ótimas histórias, mas a leitura delas, em vários momentos, é difícil, requer que o leitor volte páginas, releia frases, preencha lacunas do texto, decifre os subtextos e que tenha uma bagagem de conhecimento para fruir a narrativa. Ambos fazem literatura, porém somente o brasileiro faz Literatura. King vende muito. Sant’Anna bem menos. Os leitores de Literatura são poucos. Compreender uma arte tão complexa é difícil para a maioria que gosta do mais fácil. Há mal nisso? Não. Assim como não há nada de mal em buscar uma literatura bem elaborada. “Literatura é linguagem carregada de significado. Grande literatura é simplesmente linguagem carregada de significado até o máximo grau possível”, escreveu Ezra Pound.
Há espaços em que a Literatura é mais valorizada. A crítica acadêmica, por exemplo. Escritores de literatura reclamam por não serem avaliados por ela. Porém, eles ocupam o lugar na mente de milhares de leitores, o que causa inveja em alguns escritores de Literatura. Tentando ocupar o lugar do outro, ambos tentam ridicularizar o trabalho alheio, seja chamando um de subliteratura, seja chamando o outro de obra incompreensível, obscura, intelectual demais. Nesse entrevero, quem perde é o próprio escritor.
Sou daqueles que acreditam na hierarquia nas artes. A Literatura é superior à literatura, assim como considero a música clássica superior ao rock, apesar de gostar dos dois. O leitor que escolha o que ler. E o escritor continue escrevendo para o público que deseja. Sempre haverá quem o leia, seja em quantidade ou em qualidade. Eu, repito, prefiro a qualidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…