Avançar para o conteúdo principal

Saudade de ser “professor” de Filosofia

Já fui professor de Filosofia, mesmo sem ter formação. Na rede pública de ensino é assim: o governo não nomeia profissionais para algumas disciplinas e os professores são convidados a assumirem as aulas, até para poderem preencher sua carga horária. Quando entrei no magistério, há 10 anos, comecei trabalhando Literatura e Português, em que sou habilitado, mas também lecionei Sociologia, Ensino Religioso (sim, um ateu fazendo isso), Educação Artística (e eu nem desenhar sei) e Filosofia. Num determinado ano, fui professor de História também. E quando a Língua Espanhola entrou para o currículo, sobrou para mim, mas nesse caso sou habilitado.
Me saí muito bem como professor de Filosofia, diga-se. Quando houve oportunidade, assumi todas as aulas do Ensino Médio nessa disciplina. Me tornei “o filósofo” da escola. Muitos alunos nem sabiam que eu também era professor de Literatura. Em algumas turmas, lecionei as duas matérias, porém uma aluna me disse, ao final do 3º ano, emocionada ao nos despedirmos, que jamais iria esquecer o que aprendeu, e acrescentou: eu era melhor professor de Filosofia do que de Literatura!
Muitos momentos em sala de aula foram marcantes. Conseguia fazer a gurizada refletir, questionar, ter dúvidas, pensar. Algumas vezes iniciei os trabalhos entrando com uma caixa de sapato fechada, mas com um buraco do lado. Os alunos ficaram durante toda a aula perguntando qual seu conteúdo. Somente no final eu revelava. Era uma forma de atiçar a curiosidade para o que íamos estudar. O que havia, você está perguntando, caro leitor? Não responderei. Vou deixá-lo na dúvida.
Uma vez levei uma pedra grande para a sala, para discutirmos a essência, o ato e a potência das coisas, de acordo com Aristóteles; outra vez enfileirei sobre as classes as cadeiras com diferentes formatos que havia no ambiente para discutirmos o mundo das aparências e o mundo das ideias de Platão; ouvíamos músicas de rock cujas letras discutiam questões filosóficas, como as dos Engenheiros do Hawaii, Pitty, Titãs, Rush, etc; dizia que os alunos na chamada eram apenas números e pontinhos que deveriam ser marcados para ganhar presença e aquele que faltava era marcado com um “F”, ou seja, era maior que o ponto: quem falta ocupa mais nosso tempo do que quem está presente, era a reflexão a ser feita; escrevia a frase ou o aforismo do dia no quadro e aí de mim se esquecesse disso; enfim, filosofamos sobre tudo, até sobre o ponto de interrogação ser parecido com uma orelha, um anzol ou a metade de um desenho de um coração.
Quando eu me despedi da escola, os alunos de uma das turmas organizaram um momento inesquecível. Além das mensagens de praxe, recebi uma camiseta com assinaturas deles e um cubo mágico feito de papel. Eu deveria adivinhar o que havia escrito dentro dele antes de abri-lo. Me emocionei muito nesse momento, eu que só falava sobre a razão. Comprovei que eles aprenderam. Tudo o que foi ensinado, pelo que foi demonstrado ali, ficou marcado na vida deles para sempre. E na minha também.

Comentários

Carlinus disse…
Parabéns, Cassionei! Também sempre fui instigado pela Filosofia. Até já pensei em fazer uma graduação nessa matéria. Quem sabe um dia se torne uma realidade?!
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário.
Vanessa Santos disse…
Minha matéria preferida depois de literatura! Uma pena não ser valorizada nas escolas!
Me faz uma visita? Gostaria de seus comentários! http://mardeletras2010.blogspot.com.br/2014/09/soul-parfisal.html
Cassionei Petry disse…
Obrigado pela visita, vou dar uma olhada no seu blog. Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …