Avançar para o conteúdo principal

"Feliz dia do 'Desligue o celular, Joãzinho!' ", minha crônica no site da Zero Hora


Minha crônica sobre o Dia do Professor no site da Zero Hora:  http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/opiniao/noticia/2015/10/cassionei-niches-petry-feliz-dia-do-desligue-o-celular-joazinho-4877052.html

Feliz dia do "Desligue o celular, Joãzinho!"


Há muito tempo parei de escrever na condição de professor. Agora, em todos os textos que assino ponho embaixo escritor, apesar de esse não ser o meu ganha-pão. O motivo é que o que escrevo às vezes causa polêmicas que acabam respingando na minha atividade profissional e muitos não sabem separar o artista do mestre. Já perdi oportunidades de emprego na rede privada por causa disso.
Nunca deixo, porém, de refletir sobre o trabalho na área de ensino. Aliás, a palavra ensinar parece que saiu de circulação, pois só se fala em educar. A própria denominação professor vem sendo sistematicamente substituída por educador, na qual não me encaixo. Vem sendo deixada de lado a ideia de transmitir conhecimento para a concepção de "treinar" para a vida. O conhecer cede lugar à prática.
Minha preocupação atual relaciona-se ao foco da atividade do professor, que é o aluno, porém não em mimá-lo, como se vem fazendo. O sistema de ensino jamais irá funcionar se não há a busca de ambos os lados pelo saber. Todos aprendemos, claro. Devemos estar sempre em busca do conhecimento e escolhi essa profissão justamente porque me sustentaria financeiramente realizando essa busca diária. A cada releitura que faço dos escritores descubro coisas novas. Uma coisa, porém, precisa ser levada em consideração: o aluno não sabe a mesma coisa do que eu e nem mesmo sabe mais. Criou-se uma ideia de igualdade, uma falta de hierarquia no âmbito escolar, que está sendo nefasta.
Nesse sentido, falta o aluno querer saber e não é o que acontece. Velhas teorias do século passado que são mostradas como novas dizem que a escola deve ser prazerosa para o estudante, deve atraí-lo, pois há outras coisas mais agradáveis e interessantes ao seu redor. Ora, jamais a escola vai ser "atraente", porque o saber requer esforço. Se vamos treinar para a vida, devemos lembrar que ela não é totalmente prazerosa. Por que a escola seria?
Há momentos em que rimos, nos divertimos, brincamos, contamos piadas em sala de aula. Há outros momentos em que se deve ficar calado, ouvir, baixar a cabeça, realizar tarefas, ler, interpretar. São momentos de tortura para o aluno. Mesmo assim, são atividades que precisam ser realizadas, não se pode fugir delas. Se perguntarmos para os estudantes, no entanto, se eles querem esses momentos, dirão que não. Por quê? Porque o conhecimento não é relevante para eles. Basta a informação e ela está somente a um clique do computador ou do celular.
Nossa profissão está perdendo sua credibilidade porque nós mesmos não a estamos valorizando, na medida em que aceitamos inovações fajutas com máscara de modernidade. A maioria dos meus colegas professores também não se preocupa mais em buscar conhecimento. Numa sala de professor, hoje, discutir a novela da TV é mais importante do que a leitura de um livro (salvo um que tenha meia centena de variações de gris ou outro que coloque a responsabilidade nos astros do céu), assim como folhear a revista de produtos de beleza é mais comum do que uma publicação científica.
Antes de me apedrejarem, colegas, lembrem-se: a culpa é do escritor.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …