Avançar para o conteúdo principal

Ainda sobre o outro

Escrevi na crônica anterior algo sobre não pensar no outro. No entanto, como escritor, estou sempre olhando, analisando e me pondo no lugar desse outro. A alteridade é importante para o escritor. Alteridade, palavrinha que me fez passar vergonha numa entrevista para entrar no mestrado em uma universidade federal.

Acredito que sempre somos o centro do mundo. O mundo gira a nosso redor sim. Mesmo quem pensa na coletividade, no bem comum, é solidário, na verdade é por uma satisfação pessoal. Sente-se melhor consigo mesmo quando vê a felicidade do outro. Não deixa de ser, portanto, individualista e egocêntrico.

Vejamos o sexo. É um ato individualista, mesmo que seja a dois, a três, a quatro, etc, e mesmo para aquele homem que fica se preocupando se a mulher vai gozar ou não. Ele o faz porque sente prazer em ver o prazer do outro.

Os políticos são individualistas (conte-me uma novidade, Cassionei!), mesmo aqueles que dizem pensar no bem comum. O caridoso também é individualista. Todos pensam somente em si. Quem me desculpem os que se dizem altruístas, mas não acredito no altruísmo.

Então, como ia dizendo, quando escrevo, olho para o outro. Sou um observador do outro. Analiso gestos, opiniões, atitudes, para assim ajudar a criar minhas personagens que, como vocês sabem, não surgem do nada. Há um pouco dos outros em cada personagem que invento, assim como há um pouco de mim. “Personagem”, etimologicamente, significa “máscara”. O escritor apenas mascara a realidade ou então tira as máscaras de quem as usa. Portanto, tomem cuidado comigo!

Toda vez que penso na palavra “outro”, me vem à mente a novela “O outro”, da Rede Globo, e um poema do português Mário de Sá-Carneiro, que foi musicado pela Adriana Calcanhoto: “Eu não sou eu nem sou o outro,/Sou qualquer coisa de intermédio:/Pilar da ponte de tédio/Que vai de mim para o Outro.”

A novela, escrita pelo Aguinaldo Silva, bebeu na fonte da boa literatura e do cinema que tratam do duplo, da possibilidade de haver um sósia de cada um de nós solto por aí, aprontando das suas e com o risco do original levar a culpa. O pior, ainda, é quando esse outro toma nosso lugar. O duplo, do Dostoiévski, William Wilson, do Poe e O homem duplicado, do Saramago, são algumas das obras literárias que trazem este tema.

Já o poema de Sá-Carneiro sugere aquele outro que gostaríamos de ser e não conseguimos. Aliás, na tentativa de ser outro, ficamos no meio termo, entramos em conflito com o outro eu, gritando no meio da ponte como na pintura de Edvard Munch, enquanto ignoramos os outros que estão atrás de nós, tentando nos ajudar ou nos prejudicar, depende da interpretação que se faz da pintura.

Ou seja, quando escrevo olho para os outros, porém, da mesma forma, para o outro que está dentro de mim.


Comentários

Raimon Nix disse…
Prezado, reli o conto William Wilson e me dei conta da semelhança que existe com o livro Clube da luta do Chuck Palahniuk. É mais um bom exemplo de literatura e o conceito do outro.
Abraços
Cassionei Petry disse…
Não li o Clube da Luta, nem assisti ao filme, mas deve ter bebido em Poe, então.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …