Avançar para o conteúdo principal

Ocupação ou falta de ocupação?

  
Uma das críticas feitas à educação é que ela não educa para a vida. Pois bem. Vejo na "timeline" de uma rede social uma postagem da página de um grupo de ocupação das escolas de São Paulo, com fotos mostrando alunos e professores propondo novas formas de disposição das classes na sala de aula. Na legenda, leio: "Chega de modo Patrão! Vamos construir a nossa sala de aula, vamos fazer um ambiente diferente, e agradável. Um lugar aonde possamos ter mais liberdade!".

Antes, preciso fazer algumas correções. Como a página é composta por pessoas ávidas por decidir o que é bom ou não na escola, elas deveriam ter o cuidado de não cometer erros gramaticais, salvo se a proposta é modificar também a maneira de escrever. É desnecessária a letra maiúscula que inicia a palavra “patrão”, por exemplo, pois não é um substantivo próprio. Também não deve haver vírgula depois de “diferente”, uma vez que a conjunção “e” já faz a função de separar os dois adjetivos. E o certo é “onde”, no lugar de “aonde”, pois não há verbo expressando movimento na oração. Da mesma forma, o verbo “poder” no modo subjuntivo não foi empregado adequadamente. Vejam que a liberdade é relativa. A vida e a língua portuguesa têm regras.

Voltando à postagem, lamento informar: na vida fora da sala de aula, o aluno poderá ter que seguir o tal "modo patrão", com mesas de trabalho dispostas como o patrão quer, com ambientes às vezes nada agradáveis e com a liberdade diminuída pelas regras estipuladas por ele. Se o aluno não aprende isso na escola, ele chegará a seu primeiro emprego e terá muitas surpresas. Pode ter que trabalhar num cubículo, sozinho, sem poder conversar com seus colegas. Pode ter que trabalhar em pé, atendendo clientes sem poder se sentar como deseja. Pasmem, há possibilidade de ter que trabalhar pendurado em cordas ou sobre andaimes. Por sorte, ou empenho, pode ter uma cadeira confortável. Há muitas possibilidades, mas, na maioria dos casos, o ambiente não será agradável. É a vida, meus caros! Vocês não querem aprender coisas relevantes, que vão usar no cotidiano e acham dispensável e chato aprender sobre o conhecimento construído ao longo da história da humanidade?


Peço desculpas por ser um desmancha-prazeres, mas o mundo não é como queremos que seja. Podemos mudá-lo. Não é, porém, ocupando escolas e ditando o que é certo ou errado para quem estudou mais e acumula mais experiência que algo vai mudar. Se o professor tem que "educar para a vida", essa é minha lição para o momento.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …