Avançar para o conteúdo principal

O veneno da religião segundo Hitchens


Escritor e jornalista, Christopher Hitchens – que morreu em 2011, aos 62 anos, devido a um câncer no esôfago – era um dos “Quatro Cavaleiros do Ateísmo”, juntamente com Richard Dawkins, Daniel Dennett e Sam Harris. A denominação é uma brincadeira com a profecia bíblica do Apocalipse, já que esses pensadores lideram um movimento – chamado neo-ateísmo – de combate à religião e a tudo de nefasto que ela traz. Hitchens expôs essa ideia em Deus não é grande – como a religião envenena tudo lançado em nova tradução pela Globo Livros.

O autor inicia o livro falando sobre sua professora na escola primária, a Sra. Watts, que ensinava sobre a natureza e as Escrituras. Em uma das aulas, ela afirmou que Deus, poderoso e generoso, teria criado as árvores e a grama verdes, por ser a cor mais repousante para os olhos. O pequeno Hitchens, de apenas 9 anos, percebeu o falso conceito da professora, pois, pela lógica, os olhos estão ajustados à natureza, não o contrário. O episódio destruiu não só a admiração que o aluno nutria pela professora, como também sua fé.

A partir desse momento, começou a notar “outras esquisitices”: “Por que, se deus era o criador de todas as coisas, devíamos ‘louvá-lo’ tão incessantemente por fazer o que lhe vinha com naturalidade? Além de tudo era algo servil. Se Jesus podia curar uma pessoa cega que encontrasse por acaso, então por que não curar a cegueira? (...) E todas aquelas preces incessantes, por que não davam resultado?”. Nascia aí, bem jovem, o ateu polêmico.
Os capítulos subsequentes (com títulos como “A religião mata” e “A religião é abuso infantil?”) trazem informações críticas sobre como as religiões, principalmente as monoteístas, tentam de todas as formas serem as donas de uma verdade absoluta, impondo aos demais sua crença. Os argumentos utilizados por Hitchens se valem, além das histórias pessoais, de análise de textos religiosos e relatos documentados. O 11 de setembro, por exemplo, é uma presença constante no livro, uma vez que o extremismo religioso islâmico foi o motor das ações terroristas, justificadas por passagens do Corão. O islamismo também é criticado pela sentença de morte contra o escritor Salman Rushdie, depois das publicação de Versos Satânicos, o que obrigou seu autor a viver durante anos sob forte aparato de segurança.

O livro também reserva espaço à Madre Teresa de Calcutá. Hitchens conheceu de perto o trabalho da religiosa ao realizar uma reportagem e escreveu um livro (The Missionary Position) sobre o falso interesse dela pelos pobres, o que o levou a ser convidado pelo Vaticano para ser o “Advogado do Diabo” no processo de beatificação da freira, pois também havia desmascarado um falso milagre atribuído a ela. Em Deus não é grande, Christopher (nome irônico para um ateu, não acham?) a chama de “freira ambiciosa”.

É importante que se diga: o livro de Hitchens não se propõe a converter ninguém, como apregoam seus detratores. Deus não é grande deve ser lido, afirmo eu, por quem já é descrente e procura se aprofundar no assunto, já que a obra é repleta de informações de quem, como jornalista, conhecia bem a realidade mundial e não tinha medo de expor suas críticas às religiões, que “ensinam as pessoas a pensar abjetamente em si mesmas, como miseráveis e culpados pecadores prostradas diante de um deus zangado e ciumento”. Como afirmou Richard Dawkins, ao se despedir do amigo no funeral, Hitchens “foi um homem que lutou contra todos os tipos de tiranos, incluindo Deus”.

Comentários

Carlinus disse…

Obrigado pela indicação!

Um forte abraço!
Tiago Moura disse…
Está ficando difícil adiar a leitura desse livro.
Cassionei Petry disse…
Então não adie mais.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…