Avançar para o conteúdo principal

Crônica publicada dia 28 de dezembro de 1996 na Gazeta do Sul, maior jornal da cidade, no caderno Sábado editado por Mauro Ulrich. De quebra, ganhei um livro do Roni Ferreira Nunes, que está devendo um novo livro para seus leitores. Mas o orgulho que tenho deste texto é que ele foi usado na aula de crônica do Prof. João Arendt, no curso de Letras da Unisc, em 1999, para exemplificar a crônica humorística. Minhas colegas fizeram uma encenação e promoveram um debate sobre a crônica.
Clique na imagem para ampliá-la.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"