Avançar para o conteúdo principal

Sou ateu e sou (ou tento ser) uma pessoa boa


"No lugar dele [Deus]podemos nos enredar no fundamentalismo religioso e eclesiástico, que é tão perigoso quanto o fundamentalismo econômico ou político. Ou fica o ateísmo, que normalmente reage ao seu irmão gêmeo, o fundamentalismo religioso.(...)

Darci Ribeiro empreendeu muitas batalhas em favor dos povos indígenas, da educação, da democracia inclusiva, do meio ambiente. Terminou dizendo que praticamente perdeu em quase todas as suas lutas, mas preferia não estar do lado dos que ganharam. Frequentemente, de fato, é melhor estar do lado dos que perdem. Darci Ribeiro, ateu confesso, não imaginaria o quanto estava perto do pensamento de Deus."
Luiz Carlos Susin, teólogo, professor da PUC-RS, na ZH de hoje.

Ora, assim como nem toda a religião é fundamentalista, nem todo o ateísmo o é. Da mesma forma, atrelar sempre a bondade a acreditar em um deus é uma coisa repugnante. Vindo de um teólogo de uma universidade católica, até não espanta muito. Revolta-me quando ouço dizer que o “mundo está assim porque falta deus no coração das pessoas.” Ora, sou ateu e sou (ou tento ser) uma pessoa boa, assim com há crentes que são pessoas más. Ser ético, independe de religião.

Como disse Anatole France: “Como pensar que as ideias religiosas são essencialmente moralizadoras, quando se vê que a história dos povos cristãos é tecida de guerras, massacres e suplícios?”

Comentários

Diônifer disse…
O que dá para dizer de padres que fazem contas inacreditáveis a crianças, que crescem e depois são adultos problemáticos? Ou o que falar dos maiores criminosos do nosso país: os políticos? Matam milhares de pessoas (sem assistência médica e "sem-vida social" por falta de educação) por desviarem verbas pensando unicamente no dinheiro sobre o dinheiro. A igreja muito quis matar pelo poder, poder e mais poder. Hoje, dinheiro é sinônimo de poder e aí se vê o quanto que o ateu é mais santo do que muitos por aí...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …