Avançar para o conteúdo principal
Texto publicado na Zero Hora de hoje:

Obama e a casa dividida, por Voltaire Schilling*

“Uma casa dividida não pode parar em pé. Eu acredito que este governo não pode manter-se, permanentemente, meio escravo e meio livre. Eu não espero que a União se dissolva – eu não espero que a casa caia – mas eu espero é que ela cesse de ficar dividida.”

A. Lincoln – Discurso da Casa Dividida(Springfield, Illinois, 18 de junho de 1858)

O adversário de Abraham Lincoln ao Senado de Illinois era um tipo formidável. Stephen Douglas, o pequeno gigante, era um orador brilhante e um polemista de primeira. Lincoln, quase um recém-chegado à política, mostrou, há 150 anos atrás, enorme coragem em desafiá-lo para uma série de debates públicos a serem travados em várias cidades do Estado (Ottawa, Freeport, Jonesboro, Charleston, Galesburg, Quincy e Alton, entre 21 de agosto e 15 de outubro de 1858).

Stephen acusava Lincoln de interpretar de modo incorreto a Declaração de Independência, que afirmava a igualdade de todos. Para ele, os negros não eram iguais, não mereciam ter direitos humanos. Lincoln, ao contrário, enfatizou que a questão da escravidão não era apenas um problema dos americanos, muito menos de Illinois, mas sim uma desgraça universal a ser varrida da América.

O que não cessou de destacar foi o estrago que a permanência do sistema servil provocava na vida dos Estados Unidos. Foi na largada da campanha de 1858 que ele pronunciou o famoso discurso da “Casa Dividida”, prevendo que aquela situação do país, ter uma parte livre e outra escrava, não poderia perdurar. Bastava ver o que estava se passando no território do Kansas, o “Kansas ensanguentado”, de Horace Greely, onde bandos de pistoleiros pró e contra a escravidão se tiroteavam havia quatros anos.

Eleito presidente em 1860, Lincoln não hesitou em aceitar a guerra que lhe fora imposta pelos Estados do Sul escravista quase que em seguida a sua posse. Não podia concordar que a casa ruísse inteiramente. A União tinha que ser preservada. E o foi depois de 618 mil americanos mortos!

Num encontro que Lincoln teve na Casa Branca com Frederick Douglas e algumas lideranças negras após ter feito aprovar a 13ª Emenda, a que aboliu a servidão nos Estados Unidos, se manifestou pessimista quanto ao destino da gente de cor. Não acreditava que eles fossem algum dia integrados à sociedade dominada pelos brancos. Chegou até a recomendar que arrumassem um modo de voltarem para a África agora que os havia alforriado. Mas nenhum deles mostrou entusiasmo com a ideia. Lincoln estava errado. Barack Obama é o resultado disto.

O jovem mandatário negro que hoje assume o mais alto cargo da nação, tal como Lincoln, herdou uma casa dividida. Pela guerra no Oriente e pela crise econômica. Está falida e endividada. Terá pela frente uma tarefa digna de um Hércules para fazer com que ela não estremeça e se transforme numa ruína. Daí o simbolismo de começar sua posse em Washington pronunciando-se no Memorial Lincoln, o presidente que foi à guerra pela união e evitou que a casa desabasse.

*Historiador

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …