Avançar para o conteúdo principal
Voltei a participar do programa Revista da Noite, da Rádio Gazeta AM, que ontem foi comandado por Rosemar Santos. Dentre os vários assuntos, falamos sobre literatura, cultura gaúcha, crise mundial, educação, etc.
Contei uma história curiosa, envolvendo minha família. Meu bisavô, José Altivo Pereira dos Santos, gostava muito de ler. Resolveu, então, batizar seus filhos com nomes referentes à literatura. Um dos seus livros preferidos era “As minas do rei Salomão”. Quando meu avô nasceu, meu bisavô queria que se chamasse como o personagem principal, Allan Quartmann. Como o escrivão não aceitou nome estrangeiro, o nome foi aportuguesado para Allão Quartemar.
*
Não tive contato com meu bisavô, que morreu bem antes de meu nascimento. E meu avô, que eu chamo de rocha da família, não é muito chegado às letras, bem como meus pais. Por isso, apesar desse antecedente literário, não tive contato com os livros quando pequeno, porém aprendi a ler sozinho. Como? Bem, não me lembro como conheci o alfabeto, mas quando iniciou a propaganda eleitoral na TV, isso em 85 ou 86, comecei a ler o nome dos candidatos juntando as letrinhas e ficava furioso quando as palavras saíam da tela. Vejam só, devo minha alfabetização aos políticos!
Quando viram que eu estava começando a ler, meus familiares me davam tudo que tivesse alguma coisa escrita para ler, desde papel de bala a trechos de jornal, para poderem mostrar o “prodígio” da família. Os livros só entraram na minha vida na escola mesmo. Quando eu acabava as lições, a professora Maria Geci me levava para biblioteca e aí, num mundo de sonho e fantasia, fiz dos livros meu lar.

Comentários

Grazi disse…
Essa coisa de nome aportuguesado é uma graça! Rs.
Sinceramente... Coitado do teu avô. ;)

***

Falou sobre tua professora, lembrei que meu primeiro livro eu ganhei na primeira série, de aniversário, da minha primeira professora! *-* [Sem contar a pré escola]
Professoreeess... Ai ai ai...
Saudades deles...
Tom Riddle disse…
Nome aportuguesado... Tsk, tsk...
Achei interessante seu post. A propaganda eleitoral, de certa forma, parece ser útil. Vou me recordar disso quando essa época chegar.
Cassionei Petry disse…
Grazi, também ganhei meu primeiro livro da mesma professora: "Jibóia Gabriela", do Sérgio Caparelli.
Grazi disse…
Você ainda o tem?

Eu tenho o meu, guardo com maior carinho. :)

Para mim, são prefessores [as] como esses [as] que fazem a diferença.
Cassionei Petry disse…
Dei para minha filha, que está formando sua biblioteca.
maicher disse…
It seems different countries, different cultures, we really can decide things in the same understanding of the difference!
nike shoes
Anónimo disse…
intiresno muito, obrigado

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …