Avançar para o conteúdo principal

Magia Negra

Lendo alguns livros sobre fantasia, horror e também "Os livros da magia", HQ com o personagem Tim Hunter, criado por Neil Gaiman e plagiado pela criadora do Harry Potter, e depois de ler uma discussão sobre o tema em uma comunidade do orkut, cheguei a essa conclusão sobre "magia negra". Se há equívocos, por favor me corrijam:

A expressão "magia negra" deriva da palavra necromancia, formada por "necro", morto (daí necrotério) e "mancia", método de advinhação (daí quiromancia, que é a leitura de mãos). Portanto seria a consulta aos mortos sobre o futuro ou simplesmente invocá-los, como no jogo do copo. A expressão virou nigromancia e, pela semelhança, se transformou em "magia negra", que passou a designar toda a magia do lado negativo, das sombras, contrário da luz. Vejo aí um certo exagero na questão de colocá-la como racismo, pois o lado negro, das sombras e o lado branco, da luz, não tem a ver com a questão da pele, até porque é muito anterior à escravidão do negro. Mas claro, depois os racistas vão se utilizar disso para atacar o negro, achando que seria o lado negativo da humanidade.

Comentários

augusto c faleiro disse…
um tanto sim professor. MAs na verdade a magia negra tem a ver com os rituais sabáticos realizados a noite,no que era oferecido crista´s mortos ou almas de antepassados a sabá que tomava forma de cabra durante a noite( durante o dia era uma arvore(Salgueiro)) .Lendas dizião que sabá em forma de cabra com o torax de mulher, abusava dos homens com ajuda dos seus "parceiros" o cubos, A Sucubos , o Encubos.MAs são lendas católicas para dizer que sabá era o demônio.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …