"— Seu nome! — disse o carro de polícia em um tom metálico. Não podia ver os homens em seu interior devido à luz cegante em seus olhos.
— Leonard Mead.
— Mais alto!
— Leonard Mead!
— Ocupação?
— Acho que pode me considerar um escritor.
— Sem profissão — disse o carro de polícia, como se falasse sozinho..."

Trecho do conto "O pedestre", de Ray Bradbury.


Comentários

Mirella disse…
Hunf. Realidade. Incontestável. Aliás, adorei o gatinho na foto.
Eduardo disse…
hahaha adorei o trecho de O Pedestre que tu postou!
Ah, realmente, é muito curto nosso espaço de "intercâmbio", mas o pouco se bem valorizado, vale muito.
Ah, e claro, não poderia deixar de fazer alguma referência ao melhor professor de Filosofia que ja tive (ja tive 2), e sem duvida o melhor de Literatura, também.
Baita abraço!

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro