Avançar para o conteúdo principal

Lenira

Este conto que escrevi é beeemmm antigo. Relendo-o, noto a influência que tive na época das leituras dos contos do Dalton Trevisan. Fiquem à vontade para críticas sinceras.

Lenira

Ele pôs a garrafa de cachaça sobre a mesa e limpou, com a mão suja de graxa, o suor que lhe escorria no rosto e no pescoço. Lenira serviu a comida, ressabiada. Enfrentar o marido bêbado era um teste de paciência para ela.

-Tá sem sal a carne, mulher!

-Eu botei como tu gosta, Zé.

-Mas eu tô dizendo que tá sem sal e pronto!

-Se não quer comer bota fora, diabo!

-Tu fala direito comigo...

Ele se levantou e a encarou com raiva. Quem ela estava pensando que era. A mulher, por sua vez, não baixou a cabeça. Apesar de tudo que passava na mão do marido, não lhe demonstrava medo nenhum. Depois de uma pequena batalha de resistência, o homem a olhou de lado como se dissesse “isso não vai ficar assim” e continuou comendo, dando arrotos a cada dez segundos.

Lenira ficou limpando a casa de tarde. Quando ia lavar as cuecas encardidas do marido, bateram na porta. Implorou aos céus para que fosse um freguês trazendo roupas para lavar. No entanto, o rapaz com o qual se deparou trazia uma grande mala, não com roupas, mas sim com facas para vender.

-Boa tarde, minha senhora. Tenho aqui belíssimas facas, que, além de serem baratíssimas, nunca perdem o fio. Gostaria de dar um olhadinha.

O vendedor não poupou os íssimos para valorizar as mercadorias. A mulher observou todas e, lembrando o fato do meio-dia, se interessou por uma que lhe pareceu a ideal para cortar ou matar porco.

Zé não foi ao trabalho: estava na casa da amante. Os dois, estirados na sala sobre um colchão duro, bebiam um copo de cachaça atrás do outro. Ficaram a tarde inteira na vagabundagem e, quando chegou a noite, ele foi embora, já que não gostava de jantar na casa dela  achava a comida horrorosa.

Perto de casa, fez silêncio. Queria pegar Lenira distraída e lhe dar uma surra – não tinha esquecido a afronta. Entrou pela porta da cozinha e pegou a faca nova sobre a pia. Vou assustar a mulher com a faca, murmurou. Porém, não a achou em casa. Cadê a desgraçada? Só pode que ela foi ali na fofoqueira.

A vizinha estava, como sempre, debruçada na janela.

-Olha, vou falar a verdade. Eu vi ela saindo com um rapaz bem novo que veio aí vender coisas e acho que ela foi embora com ele. E sabe que ela tá certa? Não existe mulher tão boba que vai agüentar um homem bêbado dentro de casa como tu.

Voltou para dentro de casa chorando. Era uma vergonha perder a mulher (boa cozinheira) para qualquer um. Pegou de novo a faca de sobre a pia e, desesperado, olhando para sua grande barriga, decidiu o que tinha de fazer. Nesse mesmo instante, Lenira atravessava o portão do pátio, trazendo mais carne de porco a fim de fazer a comida preferida dele no jantar.


Comentários

Meu caro, tudo que você escreve tem distinção. Uma crônica sobre a literatura vista em sala de aula, uma análise duma tela do Münch, um belíssimo conto sobre os desencontros da vida conjugal, tudo, tudo que li por aqui, é bom. Abraço. João Paulo dos Santos
Cassionei Petry disse…
Valeu, João. Tuas palavras me incentivam a continuar escrevendo.
Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …