Avançar para o conteúdo principal

A vida é uma bola

“As coisas estão no mundo

só que eu preciso aprender”

(Paulinho da Viola)

A bola é redonda. Essa afirmação é um óbvio ululante, para usar de uma expressão do Nelson Rodrigues, um grande cronista que tinha como um dos seus temas o futebol. Fosse ela de outro formato... mas não, tinha que ser redonda. Do ponto de vista místico, o redondo pode representar a perfeição, porém para a ditadura da beleza representa o feio.

Mesmo assim, ela é o objeto da paixão de 9 entre 10 brasileiros. Nessa quarta-feira, por exemplo, a metade de um dos estados da República de Pindorama não pensa em outra coisa senão na decisão da Libertadores da América (a outra metade também, claro). Será um jogo em que 22 homens fardados estarão correndo atrás desse objeto esférico, o que numa comparação psicanalítica à Freud seria uma metáfora do ato sexual: a bola e os pés representando o ser masculino e a goleira simbolizando o feminino - sendo a rede o véu da noiva virgem - e a penetração da bola no gol resulta num êxtase indescritível. Isso explica à paixão do homem por esse esporte?

Porém, “ah, porém”, uma frase que dá título a um dos livros do antropólogo Roberto Damatta me pôs a pensar: “A bola corre mais que os homens.” É uma verdade. A bola está sempre distante de nós. Precisamos correr atrás do prejuízo (ou do lucro, como insistem os chatos de plantão). Quando a alcançamos, ela nos escapa dos pés ou das mãos – triste sina se for das mãos, não é Renan? E se a temos nos pés, a responsabilidade é tão grande que ela queima e logo a passamos adiante, para depois pedi-la novamente. Se formos confiantes, pegamos a bola e não largamos mais. No entanto, a autoconfiança e a individualidade excessiva podem resultar num chute longe da rede. Se formos muito inseguros, o adversário pode nos roubar a bola e nos arriscamos a vê-lo fazer o gol e perdermos a partida. Sim, a bola corre mais do que os homens, mas podemos alcançá-la, assim como os objetivos que escolhemos para a nossa vida.

Parece que as coisas rodam e rodam e voltam ao mesmo lugar. Muito já se falou das coincidências que envolvem o último título conquistado pelos colorados: mesmo ano de Copa do Mundo, expulsão do Tinga, etc. Porém a mais significativa é a de que o capitão do Inter, o Bolívar, tem o mesmo nome de um dos libertadores da América, só que este último com algumas patentes a mais. Pois é uma pena que não temos um general Simón Bolivar para nos libertar, pois, ironia do destino, depois dessa copa, muitos jogadores vão atuar na Europa. Os europeus, cuja riqueza resulta do que tiraram da nossa terra, continuam levando o que temos de melhor. Infelizmente, no futebol não estamos livres deles.

Coisas da vida, coisas da bola, “coisas do mundo, minha nega”, mundo esse que, como já afirmava Colombo, o descobridor da América, também é redondo. Mundo esse que o Internacional vai pintar de vermelho em dezembro.

***

Ouvindo o primeiro disco solo do Paulinho da Viola, que contém a faixa "Coisas do mundo, minha nega", uma das letras mais belas da nossa música




Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …