Avançar para o conteúdo principal

Estudar pra quê, abestado?

por Cassionei Niches Petry

“Estudar pra quê?”, pergunta o aluno. O professor teria uma porção de respostas, dentre as quais, “estudamos para nosso enriquecimento intelectual e cultural”. Logicamente, essa resposta seria motivo de riso, afinal, o aluno vive muito bem apenas escutando música, assistindo à TV ou grudado no computador.

O professor opta, então, por uma resposta mais pragmática: “estudamos para ter lugar no mercado de trabalho e, quanto mais estudo, melhores as chances salariais.” No entanto, nem com essa resposta o mestre escapa do riso debochado (sim, não há mais respeito com o professor na sala de aula). O aluno já tem várias respostas na ponta da língua: “minha mãe só tem primeiro grau e está ganhando, como faxineira, igual ao salário do senhor”; “mas professor, olha quanto ganha um jogador de futebol que fala a gente jogamos”; “e o Tiririca, então, fez um testezinho para mostrar que sabe mais ou menos ler e escrever e foi eleito deputado federal!”

Pois é, o Tiririca. Um dos grandes artistas do humor surgidos nos últimos tempos no país. Quantos de nós já não demos umas boas risadas com esse palhaço. Agora, no entanto, quem está rindo é ele e o partido que o colocou na disputa eleitoral para eleger de carona mais uma porção de políticos. Rindo de nós, os abestados. Não digo que ele não pudesse concorrer por ser um palhaço, mas pela maneira como ocorreu o processo todo. Segundo a revista Época, em reportagem antes das eleições, havia indícios muito fortes de que o Tiririca não sabia ler nem escrever, requisitos, pasmem, mínimos para ser deputado. Qualquer emprego hoje não exige pelo menos um diploma de ensino fundamental?

Depois da acusação bem documentada pela revista, criou-se toda a polêmica. Mas na semana passada, mais de um mês depois da denúncia, foi submetido a um pequeno teste de leitura e escrita e passou. Segundo o juiz que aplicou a prova, o deputado pode assumir sem problemas.

Mas há uma coisa que ainda precisa ser esclarecida. Por não ter registro escolar para comprovar sua escolaridade e estar apto para concorrer a deputado, o palhaço escreveu um documento, supostamente de próprio punho, com letra bem legível e sem erros gramaticais, afirmando ser alfabetizado. Comparada com seus autógrafos, a letra é bem diferente, assim como a assinatura. Se a declaração é falsa, o candidato eleito agiu de má fé e, por conseguinte, deveria responder por falsidade ideológica. Ou seja, já começou muito mal sua vida política. Se concordarmos com isso, estaremos indo contra a educação pela qual tanto lutamos.

Voltando a pergunta inicial: estudar pra quê? Talvez influenciado pela filosofia, gosto de responder uma pergunta com outra pergunta: e por que não estudar? A resposta óbvia do aluno é: por que é chato! Pergunto de novo: e por que é chato? Resposta: porque não vou usar nada disso na minha vida. Nesse caso, apenas digo: Cronus, o deus do tempo, vai dizer daqui a alguns anos, quem está com a razão.

Comentários

Mirella disse…
Sou a prova de que se usa o que aprende! Até para fazer um café eu me lembro do conteúdo de Química, sobre picos de saturações e não erro na quantidade de açúcar. Sem descartar outras coisas que aprendi, óbvio. HÁ! Tsk, nem preciso dizer que estou de acordo com esses dois últimos textos...

Aliás, esse Tiririca sequer tem história política. Esse povo também pede, hein...
Acho que nosso povo esta misturando tudo!
Quem eu sou
Quem eu quero ser
Tudo na vida é um eterno aprendizado, com essa atitude talvez, nosso povo pense um pouco mais a respeito da importância do voto, na qual podemos colocar pessoas de boa índole ou vice e versa no Congresso Nacional e Câmara de Deputados.
Estudar nos enriquece de todas as formas, para sermos melhores remunerados, termos conforto, mas principalmente para nós mesmos podermos desfrutar do conhecimento adquirido, da convivência com nossos mestres, dos colegas, dos pensamentos, idéias, reflexões do nosso cotidiano e convenhamos é muito bom poder sentir isso.
Cassionei Petry disse…
Recebi um e-mail criticando meu texto e pondo a culpa toda na escola e nos preofessores!
Puxa que triste isso....lamentável mesmo que algumas pessoas ainda vejam dessa forma a educação e a cultura!!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …