Avançar para o conteúdo principal

Traçando livros - resenha de hoje


Minha resenha sobre Eu vos abraço, milhões, do Moacyr Scliar, na página Traçando livros de hoje no jornal Gazeta do Sul, suplemento Mix: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/
Infelizmente, com o novo portal do jornal, não dá mais para linkar o texto online nem em PDF.

Aquele abraço


Como sou uma “traça”, devoro os livros de cabo e rabo, sem esquecer a capa. Criação do experiente Victor Burton, a capa de Eu vos abraço, milhões (Companhia das Letras, 256 páginas)novo romance do não menos experiente Moacyr Scliar,me serviu de ponto de partida para a compreensão da história. Num primeiro momento, a ilustração de um trabalhador com os braços cruzados estampa uma manchete de um jornal comunista. Outra ilustração traz a estátua do Cristo Redentor em construção, já com os “braços abertos sobre a Guanabara”. Por último, e com maior destaque, soldados sobre um caminhão são recebidos pelo povo com os braços abertos, da mesma forma que o Cristo. Política, religião e as massas são os eixos temáticos do romance, e por aí segui minha leitura.
O título vem de um verso do poeta Friedrich Schiller, Ode à alegria, presente naNona Sinfonia de Beethoven, uma das obras máximas do Romantismo alemão. O Romantismo foi um período cultural que tinha como características a individualidade e o idealismo. Curiosamente, apesar do pronome pessoal “eu”, o verso de Schiller é usado sob uma perspectiva comunista, ligada ao coletivo que minimiza o indivíduo. Aliás, algumas traduções do poema optam por “abracem-se” em vez de “eu vos abraço”, o que combinaria melhor com o comunismo. Também é uma referência à religiosidade, representada pela pose do Cristo Redentor. “Abraçar os milhões de seres humanos que compunham as massas, esse deveria ser nosso ideal”, diz um dos personagens do romance.
No final dos anos 20, Valdo é um jovem do interior do Rio Grande do Sul que vive com os pais numa estância. Depois de conhecer Geninho, influencia-se pelas ideias do amigo, que empresta para ele livros comunistas. Vendo seu pai sendo ofendido pelo patrão, o coronel Nicácio - o latifundiário agredindo o trabalhador - toma consciência de que deveria fazer algo. Resolve entrar para o Partido, mas antes precisa ir ao Rio de janeiro receber ensinamentos do maior líder comunista naquele momento, Astrojildo Pereira, um dos tantos personagens que realmente existiram e que permeiam a narrativa.
Na Capital Federal, enquanto espera uma oportunidade para conhecer o líder que está fora do país, trabalha na construção do Cristo Redentor, o que vai de encontro ao seu ateísmo. Percebe também que as ideias comunistas serão difíceis de serem realizadas com uma população tão alienada pela religião, o ópio do povo segundo Marx. Devido a conflitos dentro do próprio Partido e por uma posição mais pragmática de vida, Valdo aos poucos vai se distanciando de seus ideais, mas o espectro volta a assombrá-lo nos anos 60, com o filho seguindo o caminho que o pai deixou de trilhar.
A história é contada por Valdo através de uma longa carta ao seu neto, que está nos EUA. Em outros livros, Scliar usou recurso parecido, como em Pra você eu conto,livro infanto-juvenil que narra uma história também sobre a utopia comunista. Outros temas recorrentes do escritor estão presentes, como a medicina e o judaísmo. Da mesma forma, o estilo inconfundível do autor é notório, com suas frases curtas e repletas de vocativos, apostos e inversões sintáticas, um atrativo para quem o lê pela primeira vez.
Apesar das referências a questões políticas e econômicas, como a quebra da Bolsa de Nova Iorque e a revolução de 30 que levou Getúlio Vargas ao poder, o romance aborda muito mais a fé, seja na religião ou em um partido político (as reuniões do Partido Comunista pareciam atos religiosos, com juramentos e confissões). Cada pessoa que segue um ou outro acaba perdendo sua individualidade, tornando-se apenas uma massa sem rosto no meio de milhões. Talvez por isso o comunismo não deu certo, pois, onde ele ocorreu, a maior parte da massa ficou ma miséria, vendo a minoria se beneficiar do poder. Na religião, por sua vez, como no comunismo, só algumas ovelhas do rebanho são privilegiadas pelo abraço “protetor” do seu pastor maior. Como já escreveu George Orwell, “todos são iguais, mas alguns parecem ser mais iguais do que os outros”.
Cassionei Niches Petry é professor. Como o personagem Valdo, flertou com o comunismo na adolescência, mas hoje, desiludido, é um “em-cima-do-muro” com relação à política. Quanto à religião, continua concordando com Karl Marx. Além da coluna “Traçando livros” escreve no seu blog: www.cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mirella disse…
MAS AH!
Cassionei Petry disse…
O Scliar disse que vai mencionar a resenha na crônica dele no caderno Donna de ZH.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…