Avançar para o conteúdo principal

O voo, o véu e a verdade

Jacob Peter Gowy, A Queda de Ícaro

“O velho Montag queria voar perto do Sol e agora que queimou as asas, pergunta por quê.” (Ray Bradbury, Fahrenheit 451)

O mito de Ícaro – a história do jovem que voou com um par de asas de cera que se derreteu ao chegar muito perto do sol, o que o levou à morte – é uma das tantas alegorias criadas pelo homem para mostrar que ele deve ter limites para chegar ao conhecimento. Devemos, no entanto, ir até as fronteiras e parar?

Em um ensaio do livro Mitos, emblemas e sinais, o historiador Carlo Ginzburg – que está hoje em Porto Alegre num evento chamado justamente Fronteiras do pensamento – escreve sobre os opostos alto e baixo, relacionados ao chamado conhecimento proibido. “É significativo”, escreve ele, “que digamos que algo é ‘elevado’ ou ‘superior’ – ou, inversamente, ‘baixo’ e ‘inferior’ – sem nos darmos conta do motivo por que aquilo a que atribuímos maior valor (a bondade, a força etc.) deva ser colocado no alto.” Nesse sentido, nas mitologias e religiões, os deuses estão sempre no alto, superiores, e nós, meras formiguinhas, seres inferiores, aqui embaixo.

Na Idade Média, o conhecimento esteve encastelado, literalmente, em mosteiros, cujas bibliotecas possuíam o acervo do que de mais importante havia sido escrito. Muitos desses paraísos do saber ficavam no alto das torres. Por isso o período foi denominado de Idade das Trevas, devido ao obscurantismo intelectual no qual vivia a população das classes baixas. Mais tarde, o homem comum passou a ter acesso ao saber. A Reforma Protestante, por exemplo, ajudada pela invenção da imprensa, possibilitou que qualquer pessoa pudesse ler e interpretar a Bíblia, fonte de conhecimento para os cristãos. “Voando” para os dias atuais, vemos que o saber se expande cada vez mais através da rede de computadores e os limites do conhecimento vão sumindo no horizonte. Ou não existem mais esses limites?

Pois apesar de todos esses voos já realizados rumo à luz do conhecimento, ainda há quem deseja nos cortar as asas. Para eles, o ser humano não pode querer ser Deus. Essas pessoas impõem barreiras às pesquisas como as das células-tronco ou da criação de vida artificial e não aceitam ser contestados com relação a seus dogmas. Devemos nos ater, dizem, a nossa insignificância e não tentar entender as coisas do “alto”. Pensamento mesquinho de quem quer ser dono de uma verdade e deseja que os demais a aceitem e, além disso, tenta encobrir as fontes que podem provar o contrário de seu pensamento. Quebrar essas barreiras é o que o super-homem proposto pelo filósofo Nietzsche deve fazer. Não há muro intransponível para quem pode voar.

Não estou dizendo que não devemos ter nenhum limite. A falta de limites para crianças e jovens, por exemplo, está criando seres que não respeitam seus pais, muito menos seus professores. Quem não respeita limites no trânsito causa acidentes. Até na alimentação temos que ter um limite para não prejudicarmos nosso organismo. Devemos, no entanto, deixar livres as fronteiras do conhecimento. Não deve haver limites para o saber, a experiência, a informação, a ciência, a filosofia, a cultura, a fantasia, as artes. Só assim buscamos a “aletheia” dos gregos, que segundo outro filósofo, Martin Heidegger, é o “desvelamento” ou “desencobrimento” do que está oculto, caindo, portanto, o véu que nos fecha os olhos para que possamos descobrir a verdade.

Comentários

Mirella disse…
Isso aí, psor.
É realmente !! Muito bom esse texto.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …