Avançar para o conteúdo principal

Japão, onde nasce o Sol

Pensem nas crianças/Mudas telepáticas. Os versos de Vinícius de Moraes, na voz de Ney Matogrosso, nos vêm à mente quando acompanhamos a tragédia no Japão. Essas crianças poderiam ser nós, distantes de tudo, porém assistindo boquiabertos às imagens dos estragos provocados pelo tsunami e que são transmitidas pela TV e pela internet. Mas, na verdade, as crianças são todos os japoneses, imponentes diante de algo que ainda se anuncia.

Claro que o contexto é outro. Em vez da explosão de uma bomba, as ondas devastadoras. O que antes era uma rosa, agora é um pólen radioativo, que se espalha e contamina inclusive a comida natural tão prezada pelos japoneses.

A metáfora da rosa, mais um paradoxo do que uma comparação, lembra agora a natureza, tão imprevisível. As ondulações e a delicadeza das pétalas se transformam em ondas, antes tão suaves ao bater na costa, agora arrastando carros, casas, pessoas. Da rosa despetalada, sobram apenas os espinhos.

As rosas, no entanto, são plantadas pelo homem. O homem que manipula os elementos da natureza para criar energia fica agora sem forças diante do poder destrutivo do que ele próprio criou. Como controlar um inimigo invisível? Como segurar o caule da planta sem se ferir com seus espinhos? O átomo, a menor partícula existente, quer derrotar os guerreiros japoneses, que já perderam a batalha para as ondas gigantes.

Pensem nas feridas/ Como rosas cálidas. Essas feridas não vão se curar tão cedo, como não foram curadas as de Hiroshima e Nagasaki. Não são feridas expostas, mas sim internas. Serão as lembranças dos que presenciaram as imagens das casas sendo destruídas. Serão também as radiações que corroem por dentro e são transportadas geneticamente para outras gerações. A rosa hereditária/ Estúpida e inválida.

Mas o Japão é a “Terra do Sol Nascente”. Uma nova luz pode brilhar sobre a cor cinza das cidades arrasadas ou dissipar as nuvens negras invisíveis da radioatividade. Sejam os ensinamentos de Buda ou o culto ao kami no Xintoísmo, ou ainda os espíritos guerreiros dos samurais, não importa, todas as forças, existentes ou imaginárias, vão se aliar ao Sol e ao povo japonês, trazendo de volta a cor e o perfume de uma nação tão bela como uma rosa.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …