Avançar para o conteúdo principal

Kiefer no Traçando Livros de hoje

PDF

Online

Queres ser escritor?


Gosto de ler críticas negativas, mas fico incomodado quando elas partem de quem, ao que parece, não entendeu a obra analisada. Quando se percebe que o problema não é do livro, mas de quem o lê, fica aquela sensação de que o crítico deveria se calar. Digo isso porque li uma resenha injusta sobre a coletânea de ensaios e crônicas Para ser escritor, de Charles Kiefer (Editora Leya, 160 páginas), e me senti no dever de fazer a minha leitura defendendo, de certa forma, a obra.

Quem, como esta traça que vos escreve, tem um desejo tremendo de se tornar escritor, não vai encontrar no livro um manual de instruções de como se tornar um novo Machado de Assis, mas sim reflexões sobre o ofício, escritas por um autor consagrado das letras gaúchas. Além de ter escrito clássicos como Caminhando na chuva, Kiefer mantém uma oficina literária, é doutor em literatura e conhece como poucos o mercado editorial. Os textos foram em boa parte publicados no seu blog e em coletâneas anteriores, como O guardião da floresta. Escritos numa linguagem leve, mas repletas de informações, e fazendo uma ponte entre a linguagem literária e a teórica, os textos reforçam no aspirante a escritor o desejo de se tornar um autor, ou provoca a dúvida se é esse realmente seu caminho.

No primeiro texto, que dá título ao livro, Kiefer diferencia o escritor, o autor e o profissional da literatura. “Um escritor somente é escritor quando menos é escritor, no instante mesmo em que tenta ser escritor e escreve.” Depois disso ele é o leitor de si mesmo; mais adiante ele sonha com a glória; por fim, precisa pôr as asas no armário e fazer de tudo para vender o peixe. Nessa afirmação, ele se distancia um pouco da ideia de que o escritor é somente aquele que publica, porém o texto tem um tom de crônica literária, o que não permite dizer que essas afirmações são categóricas, como afirmou a injusta crítica a que me referi. A autora da resenha pensou que o livro fosse algum tratado teórico e apontou algumas incoerências. Pedir coerência para um ficcionista é pedir que ele abdique do fazer artístico, pois a arte é, por essência, incoerente.

Há na coletânea reflexões sobre a brevidade dos contos na era da internet, sobre os blogs, as oficinas literárias, noites de autógrafos, o uso de adjetivos - às vezes condenado, outras vezes necessário -, concursos literários, conselhos de mestres como Mário Quintana, títulos, leituras de originais, o plágio, ética, o acordo ortográfico, etc. Mas são os textos sobre a criação literária e a leitura, como não poderia deixar de ser, os que mais se destacam.

Em “Literatura e solidão”, Kiefer revela a angústia do escritor quando percebe que não é lido e “que escrever é um gesto completamente inócuo e onanista”. Ou seja, quem escreve quer ser lido, mas, muitas vezes, sua criação não leva a nada e acaba servindo apenas para sua própria satisfação. Em “Um prazer anárquico”, o autor questiona: nós, professores, que reclamamos que os alunos não leem, não estaríamos “querendo deles um modelo de leitura que já não são capazes de realizar”? E se “lhe oferecêssemos um banquete de múltiplos e simultâneos objetos de leitura”, inclusive Paulo Coelho?

Charles Kiefer levanta as questões. Cabe ao leitor e provável escritor respondê-las.

Cassionei Niches Petry é professor e mestrando em Letras, com bolsa do CNPq, mas queria ser apenas leitor e escritor. Mantém o blog, cassionei.blogspot.com, e escreve quinzenalmente o Traçando Livros.

Comentários

Milton Ribeiro disse…
Onde, quan do e como saiu a tal crítica injusta?

(Meu e-mail está aí...)
Cassionei Petry disse…
Foi no Rascunho de fevereiro, Milton.
Nunca tinha ouvido nem lido nada sobre Kiefer, fiquei surpreso com a afirmaçao:" que escrever é um gestocompletamente inocuo..", sempre pensei nisso, é a pura verdade, a gente pensa q alguem irá nos ler,mas no final estamos apenas satisfazendo uma necessidade intriseca q vai alem da escrita... Da proxima vez q eu for numa livraria comprarei este livro! =D

Rapaz to amando teu blog esses posts viciam...hehe XD So conteudo de primeira qualidade, abraço!
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Wagner, vi que você gostou pela porção de comentários. Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …