Avançar para o conteúdo principal

O chute na coruja

Na semana passada, durante uma partida de futebol na Colômbia, a bola atingiu acidentalmente uma coruja que passeava no campo. Um jogador chutou a ave caída - que por sinal era mascote do time adversário - com o intuito, segundo ele, de ajudá-la a levantar voo. A atitude causou a revolta dos torcedores e repercutiu mundialmente, com as imagens divulgadas pela internet, causando uma merecida dor de cabeça ao agressor, ainda mais depois da morte do animal.

Um simbolismo escondido no episódio, porém, me deixou inquieto, despertado, talvez, pelo olhar meio filosófico adquirido depois de ler grandes pensadores.

A coruja era o animal que acompanhava a divindade grega Athena, deusa da sabedoria, cujo nome na mitologia romana era Minerva. A ave, por ser noturna, possui uma excelente visão durante a noite, além de uma audição aguçada, deixando-a sempre atenta a qualquer movimento. Quando se alimenta, engole inteira a sua caça e depois regurgita o que não será digerido, como os ossos. Essas características a alçaram a símbolo da sabedoria e, por extensão, das disciplinas relacionadas ao conhecimento, como a Filosofia e as Letras.

Em meios às trevas da ignorância, quando muitos estão com os olhos fechados, o sábio busca, com os olhos bem abertos, a luz do conhecimento. Enquanto todos estão dormindo, ele está acordado, lendo, pesquisando, buscando soluções para os problemas da vida. Se a maioria tem visão limitada e conformista, o sábio procura olhar atentamente para todos os lados, não se contentando com as respostas prontas. E no meio das produções culturais, sabe assimilar o que há de melhor e joga no lixo o que é ruim, não engolindo tudo o que a indústria cultural nos apresenta.

O chute na coruja é um chute no conhecimento. Pouca importância se dá hoje ao saber. O mais importante é o entretenimento vazio, como o próprio futebol, além das músicas apelativas, com letras e melodias de péssima qualidade. A programação televisiva, em busca de audiência - salvo um ou outro oásis -, é um atestado que afirma nossa imbecilidade. A atitude do jogador parece dizer “não atrapalhe o espetáculo, coruja, que o povo quer apenas diversão”.

No entanto, a reação dos torcedores simboliza que há resquícios do que fomos no passado e há esperanças de que o conhecimento volte a ter importância na vida das pessoas. Há espaço em nosso dia a dia tanto para o entretenimento quanto para o conhecimento. Podemos nos divertir e esquecer um pouco o peso das preocupações cotidianas, mas sem deixar de buscar o saber. Podemos ligar a TV e assistir ao jogo, e depois abrir um livro e ler, o que também é divertido.

Comentários

Mirella disse…
Com toda certeza, esse aí não fez/faz parte do time de Sócrates...
Cassionei Petry disse…
O que será que ele faria com os quero-queros do Beira-rio?
O avestruz parece ter substituído a coruja.. infelizmente
Cassionei Petry disse…
Se bem que hoje ninguém quer se esconder, mas se expor.
- Celso disse…
Por isso que eu digo e eu sempre vou repetir: esse mundo está louco, totalmente fora de controle! Além de pedófilos, assassinos e traficantes ainda há aqueles seres humanos (se é que ainda podemos chamá-los de seres humanos) que maltratam os animais. Horrível, sim, e para piorar, muitos não são punidos. “Ah, são só animais”. Animais, não “só animais”, eles também possuem sentimentos, também sentem dor e precisam de amor. Muitos acham engraçado, “chutar a coruja”, mas não passam de pessoas estúpidas. Queria ver, se fossem chutados, para ver como é bom. E para piorar, a coruja ainda morreu. Esse jogador aí, não merece meu respeito. Desde quando uma pessoa ousa machucar um animal, não merece mais meu respeito, nunca mais, e merece punição severa. Só espero que ele seja preso, e sofra muito.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …